6 de setembro de 1946. Foi neste dia que Brusque ganhou sua primeira emissora de rádio. Fundada pelo advogado Raul Schaefer, a Sociedade Rádio Araguaia foi ao ar pela primeira vez, ao vivo, no dia 7 de setembro, transmitindo de forma improvisada o desfile alusivo ao Dia da Pátria, na avenida Cônsul Carlos Renaux.

Filha do fundador, Ana Maria Schaefer Ferreira de Mello conta que Raul graduou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná em 1945. Bom orador e com domínio da escrita, ele concluiu sua formação superior e retornou a Brusque, sua cidade natal, trazendo consigo ideias de progresso e desenvolvimento comunitário. “Participou ativamente do contexto da redemocratização nacional e dos novos ares de liberdade que consolidavam com o fim da Segunda Guerra”, diz.

Somente a advocacia não lhe bastava para realização pessoal. Ana Maria conta que o pai sempre acreditou que Brusque e região tinham potencial econômico e cultural para maior protagonismo na cena catarinense. “Ele entendia que deveria contribuir para o crescimento de sua cidade e região. Estava convicto de que seu povo carecia e merecia dispor do poder e alcance das ondas do rádio”. 

Foi neste contexto que ele criou a Rádio Araguaia, a sétima emissora implantada em Santa Catarina e que há 72 anos faz parte do dia a dia dos moradores de Brusque e região. “Esse haveria de ser o novo meio de aproximar as pessoas, levar a elas democraticamente informações, opiniões, defender e articular os interesses comunitários, enfim promover cultura e também lazer”, destaca Ana Maria.

Jota Duarte, Celso Teixeira e Dário Silva, radialistas da Rádio Araguaia, em registro da década de 60 | Foto: Rádio Araguaia/Divulgação

Raul detinha a maior parte das ações da emissora, mas para poder realizar o desejo de fundar a primeira rádio de Brusque, teve parceria de Otto e Guilherme Renaux, Nivert Debrassi e de seus irmãos Adriano, Euwaldo e Luiz. O registro na Junta Comercial do estado ocorreu em agosto de 1947 e o alvará definitivo de funcionamento foi obtido em 29 de julho de 1950.

O primeiro estúdio da Rádio Araguaia foi na rua Rui Barbosa, no Centro, no antigo Hotel Schaefer. Nos primeiros tempos, a emissora contou com alguns colaboradores. Nivert Debrassi foi o primeiro locutor da rádio. O segundo funcionário foi Celso Teixeira que, mais tarde, tornou-se cronista esportivo. A sonoplastia era de responsabilidade de João Luiz Schafer, primo de Raul. Junto com ele trabalhava Waldemar José Duarte, depois batizado de J. Duarte. Erondino Fagundes de Moraes também colaborou. Maria Iracema foi a primeira mulher a ocupar os microfones da emissora.

Profissionalização

Raul, entretanto, sentiu necessidade de profissionalizar o trabalho da rádio. Foi então que em 1947, o fundador convidou Wilson Erasmo Quintino dos Santos para se juntar à equipe. Foi ele o primeiro profissional do rádio brusquense.

Wilson veio de Blumenau e dinamizou os trabalhos da emissora. Foi a partir de sua chegada que a Rádio Araguaia iniciou seus famosos programas de auditório e apresentações ao vivo de duplas sertanejas regionais e duplas consagradas como Pedro Bento e Zé da Estrada, Canário e Passarinho, Tibaji e Miltinho, e músicos consagrados como o acordeonista Mário Zan, Alcides Gerardi e Aldo Krieger.

A emissora também ficou famosa por entrevistas célebres como a do ator e comediantes brasileiro Grande Otello. Nas décadas de 50 e 60, transmitiu radionovelas de sucesso nacional, como Direito de Nascer, por exemplo.

Ao longo desses mais de 70 anos no ar, a Rádio Araguaia se notabilizou por revelar grandes nomes do cenário radiofônico catarinense. Um deles é Saulo Tavares, que iniciou suas atividades na rádio em outubro de 1962 como sonoplasta e logo depois assumiu os microfones, permanecendo até hoje.

O legado de Raul Schaefer, iniciado naquele 6 de setembro de 1946, permanece. Ao longo desses 72 anos, a primeira emissora brusquense conquistou uma legião de ouvintes fiéis que têm a rádio como uma companheira do dia a dia.


Você está lendo: A companheira dos brusquenses


Leia também:
– Introdução
– As aventuras e desventuras de Heinz Willrich
– A geladeira brasileira nasceu em Brusque
– O brusquense que criou Sadol e Melagrião
– A caleça de Rodolfo Pruner
– Pelas águas do rio Itajaí-Mirim
– O primeiro circular de Brusque
– Revolução no comércio de Brusque
– José Belli: exímio marceneiro e carpinteiro
– Banco catarinense, mão brusquense
– As aventuras do alfaiate Gustavo Krieger
– A loja dos brusquenses
– Anos de glória e queda da Casa do Rádio
– Brusque eternizada
– A breve e bela história da Rojan
– A história centenária das salas de cinema
– O hotel da família Schaefer
– As cervejas que marcaram época
– Vida e morte da Loja das Malas
– História de 109 anos
– A pioneira da metalmecânica
– O inconfundível sabor da geladinha
– O primeiro jornal dos brusquenses
– História centenária
– A fábrica de arroz do Bateas
– Helga Kamp, a proprietária da primeira escola de idiomas de Brusque
– O point chique dos anos 50 e 60