a nov//a ca/mara

a nov//a ca/mara

<INDESIGN;Título 2 – Ponto 40>
A “nova” Câmara
<INDESIGN;Linha de apoio>
Grupo formado por dissidentes do bloco governista monta um cenário de incerteza para as próximas votações

<INDESIGN;Autor da Matéria>
Marcelo Reis
marcelo.reis@municipiomais.com.br 

<INDESIGN;TEXTO>
Depois que o PPS e o PR deixaram a base aliada ao governo Paulo Eccel, um cenário de incertezas permeará as próximas votações da Câmara de Brusque. Isso porque o costumeiro placar de 9 a 5 nas votações do Legislativo não deve se repetir, uma vez que quatro vereadores já declararam não fazer mais parte do ‘grupo governista’. 

Com isso, permanecem na base aliada os quatro vereadores do PT – Felipe Belotto, Marli Leandro, José Isaias Vechi e Valmir Ludvig -, Celio de Souza (PMDB) e Edson Rubem Muller ‘Pipoca’ (PP). Os dois últimos seguem orientação partidária de manutenção de apoio a Eccel. Com apenas seis integrantes de ‘voto certo’, a aprovação dos projetos do Executivo passará por um processo mais rigoroso do que o registrado anteriormente.

A oposição e seus cinco vereadores, agora, têm representatividade quase igual à da base do governo. O grupo é composto pelo quarteto do PSD – Dejair Machado, Ivan Martins, Roberto Prudêncio Neto e Celso Emydio da Silva -, e Moacir Giraldi, (PT do B). O bloco costuma apresentar posicionamento contrário aos projetos mais polêmicos vindos do governo. Eles votaram contra, por exemplo, as adesões à Agir, ao Consórcio de Informática na Gestão Pública Municipal (Ciga), e também ao pagamento de comissão para a venda do terreno da Secretaria de Obras.

<INDESIGN;Subtítulo – Texto>
Grupo do desempate
<INDESIGN;TEXTO>
O grupo independente formado por Jean Pirola (PP), Guilherme Marchewsky (PMDB), André Rezini (PPS) e Alessandro Simas (PR) deverá desempatar os casos em que houver embate entre situação e oposição. Os votos deles, neste caso, podem ser responsáveis diretos por vitória ou derrota do governo nas votações.

Dejair Machado (PSD), líder da oposição, diz que o governo terá menos agilidade na tramitação dos projetos. “Acho que eles [o novo grupo] vão ter uma postura responsável. Eles sacrificaram um monte de gente dos seus partidos, pessoas que ficaram na rua sem o fundo de garantia, em função de saber que o projeto não era bom”, avalia. “Para o governo, fica mais difícil. A demonstração maior foi dada em relação a este projeto. Se esta situação tivesse acontecido antes, a Agir teria sido rejeitada, e o convênio com o Convention Bureau também”, afirma.

O bloco ainda não está formado oficialmente, mas as conversas já estão acontecendo. “Pelo que tudo indica, o prefeito não conta mais comigo na Câmara de Brusque, ele nos considera oposição. O nosso bloco não vai ser de oposição, mas vamos votar com critério. O voto será independente”, garante Pirola, cujo partido manteve-se na base aliada.

Marchewsky diz que o vereador precisa ter autonomia para votar, mas que a formação do bloco não significa que haverá voto conjunto. “Sou favorável à independência, eu posso até votar a favor de um projeto e os três não votarem, mas não existe isso de os quatro votarem sempre igual”, aponta.

Simas e Rezini mantêm o mesmo posicionamento. O vereador do PR diz que o jeito de ver a política como situação ou oposição tem de ser deixado de lado, e reforça o discurso do voto independente. “Tem que se tratar dos interesses da cidade. Dizer que é oposição, mas oposição a que? A um governo que foi escolhido pelo povo? Seria incoerência”, discursa.

———————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————-
DIAGRAMAÇÃO. FAZER CONFORME O MODELO DA PAGINA, usando isso como única ilustração da pagina. A ideia é criar as bancadas, conforme o desenho que apresentei. Colocar os textos em fonte de legenda. Colocar as fotos dos vereadores nos quadradinhos, em qualquer posição, só a do guilherme tem que ser no quadradinho de cima. (AS FOTOS ESTÃO NA PASTA CAMARA)


<INDESIGN;Título 3 – Ponto 25>
A composição 

TEXTO 1
<INDESIGN;Titulo 4 – Ponto 20>
O voto de minerva
<INDESIGN;TEXTO>
O rompimento dos quatro vereadores com o governo gera uma nova montagem das bancadas no Legislativo. O presidente da Casa, Guilherme Marchewsky (PMDB), compõe o chamado bloco independente, mas sua atuação é limitada. Ele não pode votar em todos os tipos de projetos e proposições. O presidente só vota em projeto de lei complementar, ou em projetos cuja aprovação exige a maioria absoluta (10 vereadores), ou maioria simples (8 vereadores). Marchewsky não tem autorização para votar em projetos de lei ordinária, requerimentos e pedidos de informação. Nestes casos, seu voto só é solicitado quando for necessário desempate.

***Foto guilherme, no quadradinho de cima

TEXTO 2
<INDESIGN;Titulo 4 – Ponto 20>
Independentes
<INDESIGN;TEXTO>
Alessandro Simas, André Rezini e Jean Pirola, junto a Marchewsky, formam um grupo que não se diz nem de situação nem de oposição. Seus votos, em tese, podem ir para qualquer um dos lados, dependendo do projeto apresentado. Eles serão, na balança das votações, o peso que determinará o placar final.

***Fotos simas, andré e jean

TEXTO 3
<INDESIGN;Titulo 4 – Ponto 20>
Oposição
<INDESIGN;TEXTO>
Não há alterações no bloco oposicionista. Seus cinco integrantes costumam apresentar voto conjunto, geralmente vencido pela maioria. A tendência é de que, em determinadas votações [como a adesão a convênios, por exemplo], o bloco independente, em parte ou na íntegra, se junte a eles.

***Fotos dejair, ivan, moacir, celso, roberto

TEXTO 4
<INDESIGN;Titulo 4 – Ponto 20>
Governo
<INDESIGN;TEXTO>
O grupo de apoio ao governo Paulo Eccel é composto, em sua maioria, por integrantes do PT. O voto é, invariavelmente, condizente com os pedidos do Executivo, até porque, conforme o prefeito, o posicionamento da bancada é discutido e combinado previamente. Agora com seis membros oficiais, o poder desta bancada ficou, em tese, menor.

**Fotos marli, felipe, valmir, vechi , celio, pipoca
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio