João Beuting é secretário de Desenvolvimento Econômico desde o começo da gestão de Jonas Paegle e Ari Vequi. O empresário afirma que a pasta desenvolveu atividades importantes em 2017, como o Serviço de Inspeção Municipal (SIM).

Para 2018, a expectativa do secretário é boa. Segundo ele, a política de concessão de benefícios fiscais e econômicos continuará.

Filiado ao MDB, Beuting descarta uma candidatura em 2018. Afirma que quer permanecer na pasta.

Praça do Empreendedor
Segundo a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, a praça ainda é um objetivo a ser alcançado. A expectativa é reduzir o tempo para abertura de uma empresa para aproximadamente uma semana.

“Estamos tentando, junto com a Acibr, fazer isso desde o ano passado. Era para vir dinheiro do governo do estado para a praça, o que seria muito benéfico para as empresas. Hoje, tem empresa que demora 60 dias ou mais para ser aberta. Na praça, estariam todos os órgãos. Lutamos, mas não conseguimos, por falta de verba para equipá-la”, diz Beuting.

Ainda relacionado ao empreendedorismo, o governo estava com a expectativa de usar o terreno na Volta Grande, reservado à Vila Olímpica, para uma nova área industrial. Por um período, foi decidido que utilizaríamos o lado esquerdo para a área, e o direito, para as entidades.

“Mas estamos tendo problemas porque as entidades querem ir para lá. A gente achava que não queriam mais. A área industrial daria um up para aquela região”.

O plano B é dentro da área industrial do Limeira, mas seriam necessárias muitas horas-máquina para adequar os terrenos. “Tem terras para pequenas indústrias, com 5 a 10 mil metros quadrados”.

“Se as entidades exigirem, será difícil. Mas dentro do que estamos colocando para as entidades, será dado um prazo para colocarem aquilo em prática”, diz Beuting.

SIM
A secretaria também é responsável pelo Serviço de Inspeção Municipal (SIM). Lançado em agosto deste ano, o SIM fiscaliza a qualidade dos produtos de origem animal.

“Todas as empresas que produzem embutidos, como queijo, linguiça e morcilha, produtores de mel ou mesmo que matam peixes, estão envolvidas no SIM. Tudo que é de origem animal passa pela nossa secretaria para o início da produção”, diz Beuting.

De acordo com a pasta, desde a implantação em 29 de agosto, foram 20 reuniões com estabelecimentos e responsáveis técnicos. Destes, cinco entraram com documentação e três já receberam o SIM.

Economia
Beuting é otimista quanto ao futuro. “Acredito que o Brasil vai melhorar, apesar de ser um ano de eleição. Estou confiante. Ano passado já foi muito melhor do que 2015 e 2016”.

De acordo com o secretário, a pasta fará o seu papel para alavancar a economia da cidade com a concessão de benefícios fiscais e econômicos às empresas interessadas em se instalar em Brusque.

Agricultura
A secretaria também cuida da agricultura na cidade. Segundo Vilson Moresco, diretor de Agricultura, o setor estava com maquinário bastante deficitário quando ele assumiu o cargo.

“Foi um ano que dentro das possibilidades, apesar dos poucos recursos disponíveis, conseguimos deixar as coisas funcionando. Tanto é que hoje, na área da agricultura, não tem nada atrasado, o agricultor está atendido”, afirma Moresco.

Segundo o diretor, foram produzidas entre 30 mil e 40 mil mudas de flores por mês no Horto Florestal. “O que deu uma contribuição significativa para o embelezamento da cidade. Não são só rotatórias, mas também canteiros, escolas, postos de saúde”, diz Moresco.

O diretor diz que já foram feitos levantamentos sobre as demandas para este ano, tendo em vista que no ano passado a preocupação foi deixar a casa em ordem.

Funcionários
Segundo João Beuting, não estão muitas previstas contratações para 2018. “O que precisamos realmente é de um médico veterinário para tocar o SIM”, diz.

Atualmente, o serviço de inspeção funciona com um veterinário cedido pela Vigilância Sanitária. No entanto, a legislação pede que seja contratado diretamente pela pasta.

Futuro pessoal
Beuting é filiado ao MDB, que deve ter candidato a deputado estadual e, quem sabe, federal na região. Contudo, ele não pretende concorrer. “Para mim, não haverá problema. Gostaria de permanecer na minha secretaria”, diz.

2017
Beuting assumiu o cargo em janeiro. “Mas já tínhamos previstos continuar com a lei de incentivo fiscal e econômico”, diz.

Segundo o secretário, será preciso mudar a legislação sobre benefícios fiscais e econômicos a empresas. “A lei falava em doação do terreno, mas provavelmente será secessão. O Tribunal de Contas está questionando muito porque muitas empresas não cumpriram com o que estava no acordo. Tanto é que que a metade das 18 empresas na área industrial, com certeza, está com problema de documentação”.

“Construíram e não foi transferido o terreno para elas, ou construíram e alugaram, o que também é proibido. Juntamente com a Procuradoria notificamos as empresas, para se explicar e comprovar mediante tudo o que foi prometido lá atrás”, acrescenta Beuting.

De acordo com o diretor de Desenvolvimento Econômico, Alois Diegoli, em 2017 também foi feita uma alteração na lei que rege o plano de incentivos, para exigir a contratação de 10% de jovens na faixa etária de 18 a 24 anos.

“No ano passado, tivemos dez pedidos de incentivo protocolados. Quatro de incentivos fiscais e seis de incentivo econômico”, diz Diegoli.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980