Suspeito de homicídio no Limeira é preso, mas mandante do crime foge

Polícia Civil identifica autores do crime que matou Willian Pacheco, 27 anos, no início de janeiro

Suspeito de homicídio no Limeira é preso, mas mandante do crime foge

Polícia Civil identifica autores do crime que matou Willian Pacheco, 27 anos, no início de janeiro

Sayron Cortez Pereira Alves, 20 anos, está detido na Unidade Prisional Avançada (UPA) de Brusque desde sexta-feira, 8.

Ele é acusado de matar Willian Pacheco, 27 anos, no bairro Limeira, no dia 16 de janeiro, com três tiros na cabeça e um nas costas.

O mandante do crime já foi identificado, mas está foragido desde sexta-feira. O motivo do crime seria o envolvimento de Pacheco com a ex-companheira do mandante e também por desavenças antigas, em que já haviam entrado em vias de fatos.

O delegado da Divisão de Investigação Criminal (DIC), Alex Bonfim Reis, responsável pelo caso, conta que a investigação demorou devido aos detalhes que precisaram ser apurados. As primeiras análises iniciaram pelo celular de Pacheco, que foi encontrado junto a ele no dia do crime.

“Analisamos todas as ligações que foram feitas, recebidas e as mensagens. Com base nas chamadas, identificamos um número em particular. Esse número estava em nome de uma pessoa, que revelou ter cadastrado a pedido de Sayron”.

Durante as investigações, os policiais chegaram também a um veículo que passou pela rua no horário do homicídio, que teria sido utilizado para levar o acusado até a cena do crime.

Após toda a apuração, a polícia recebeu a informação que Alves ligou para Pacheco, marcou com ele para ir até o local, para uma negociação de drogas.

No ponto de encontro, o acusado embarcou na motocicleta de Pacheco e foram para um local mais afastado e escuro. Quando a vítima desceu da moto, Alves que estava na carona, atirou contra ele, entrou no carro e fugiu.

Segundo provas testemunhais, o delegado conta que chegaram a conclusão que Sayron cometeu o crime a mando de uma terceira pessoa, o que foi confirmado.

“Tanto o Sayron quanto o mandante do crime são integrantes de uma facção criminosa. Como o acusado recebeu ordens do superior, acabou cumprindo”, detalha Reis.

Alves nega qualquer participação no crime, porém há provas robustas de que ele seja realmente o autor do homicídio.

Inclusive, há uma testemunha que afirmou ao delegado que viu o momento em que o acusado sacou o revólver da cintura e atirou contra a vítima.

“Dias depois, Sayron ainda foi atrás dessa testemunha e tentou coagir. Ele contou que cometeu o crime a mando de uma terceira pessoa, e se alguém a procurasse, não era para dizer nada, caso contrário também poderia morrer”, relata o delegado.

O caso permaneceu em sigilo durante toda a investigação para evitar a fuga dos autores do crime. Porém, durante a operação conjunta entre as polícias Civil e Militar na sexta-feira, 8, o mandante acabou fugindo.

Na residência do mandante, a polícia encontrou ainda uma carta de um detento do presídio de Mossoró, em que há indícios de uma conversa entre líderes de uma facção criminosa, comprovando a participação no grupo.

Com o fim das investigações, Alves foi indiciado por homicídio qualificado e agora o inquérito será encaminhado ao Poder Judiciário.

“Sabemos que não podemos trazer o Willian de volta, mas é dever da Polícia Civil trazer uma resposta à família e comunidade. Até porque é inadmissível um homicídio sem uma explicação e autoria”, finaliza o delegado.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio