Adesão espontânea à biometria é baixa em Brusque

Apenas 10% dos eleitores que procuraram o cartório eleitoral visaram a atualização do cadastro

  • Por Redação
  • 15:29
  • Atualizado às 23:46

Adesão espontânea à biometria é baixa em Brusque

Apenas 10% dos eleitores que procuraram o cartório eleitoral visaram a atualização do cadastro

  • Por Redação
  • 15:29
  • Atualizado às 23:46
  • +A-A

Dos 269 eleitores que realizaram o cadastramento biométrico até agora em Brusque, apenas 10% procuraram o cartório eleitoral com o objetivo de aderir à biometria. A maioria da adesão ao cadastro representa transferência de domicílio eleitoral (45%) e novos títulos de eleitores (45%).

Para o chefe do cartório da 5ª zona eleitoral, Carlos José Neiva Peixoto, a baixa adesão está relacionada à falta de obrigatoriedade em realizar o cadastro. Em Brusque, diferente de municípios como Florianópolis e Blumenau, o cadastramento é na modalidade “biometria ordinária”, ou seja, não há convocação obrigatória para os eleitores.

Na capital do estado, a biometria é extraordinária. Todos os eleitores do município são obrigados a fazer o recadastramento biométrico, do contrário, os títulos eleitorais são cancelados.

Em Brusque, o cadastramento biométrico iniciou em 22 de fevereiro e segue até 4 de maio. Nos primeiros dias de funcionamento, o novo sistema apresentou alguns problemas. No entanto, segundo Peixoto, já foram solucionados.

“Está tudo funcionando normalmente. Às vezes um ou outro computador tem alguns entraves, mas nada que dificulte o trabalho”, afirma. “A procura por novos títulos e pela transferência de domicílio eleitoral está bem alta em Brusque. E a tendência é aumentar chegando mais perto da data final”, completa.

Biometria em todas as urnas

O chefe do cartório afirma também que o município utiliza, desde 2006, o modelo de urnas eletrônicas que conta com leitor biométrico. Por isso, todos os locais de votação de Brusque estarão equipados para as eleições deste ano.

“A biometria é só para identificar o eleitor. Como sempre, ele vai apresentar a identidade e o título na hora da votação. Mas em vez do mesário digitar o título, ele vai colocar o polegar do eleitor e assim vai liberar para votação”, explica.


Como fazer o título de eleitor

Quem deseja tirar o novo título precisa apresentar documento oficial com foto e comprovante de residência – homens com mais de 18 anos também devem levar o certificado de quitação do serviço militar. Pessoas que completam 16 anos até a data do 1º turno também podem requerer o título.


Como pedir transferência de domicílio

Eleitores que desejam pedir a transferência do domicílio eleitoral devem levar o título, um documento com foto e um comprovante de residência. É necessário residir no novo domicílio há pelo menos três meses.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio