Conteúdo exclusivo para assinantes

Aeródromo de Brusque será um dos únicos no Brasil a operar durante a noite

Proprietário Amilton Reis promete novidades, como a criação de aeroclube

Aeródromo de Brusque será um dos únicos no Brasil a operar durante a noite

Proprietário Amilton Reis promete novidades, como a criação de aeroclube

O aeródromo Fazenda Aero-Amil será um dos poucos no Brasil a operar durante a noite, conforme o proprietário do empreendimento, Amilton José Reis. No local será instalada uma torre de balizamento noturno, por meio da qual aeronaves de pequeno e médio porte poderão pousar visualmente ou com o auxílio de instrumentos. A previsão é que em até dois meses esteja tudo pronto para operações noturnas.

“Seremos um dos poucos aeródromos privados a nível nacional a operar à noite. Aeroportos convencionais operam, é óbvio, mas no caso dos particulares é algo raríssimo”, explica Reis.

Outra novidade do aeródromo é a criação do aeroclube, que contará com um condomínio aeronáutico onde as pessoas podem alugar um espaço para guardar suas aeronaves ou comprar um lote na fazenda para a construção de um hangar.

Apesar das novidades, Reis não prevê uma grande procura imediata por parte do público. “Eu entendo que o Brasil está se recuperando economicamente, a procura ainda é muito lenta. Muito aos poucos, a procura para venda [de espaços para estacionar aviões no aeródromo] vai aumentando. Tanto que a ideia inicial era apenas construir e asfaltar a pista”.

A construção do aeródromo começou em 2013 e terminou em 2017. Sua pista possui 900m de largura e 23 de comprimento. Além de um hangar, Reis também pretende construir um Centro de Eventos e uma capela ecumênica na Fazenda Amil.

Funcionamento
Pousos em aeródromos particulares dependem de consulta prévia ao proprietário, com exceção aos pousos de emergência. Membros de aeroclubes ou pessoas que possuem hangares comprados ou alugados também não precisam pedir autorização.

“Taxas de pousos e decolagens são definidas também pelo proprietário. Por exemplo, quando Chitãozinho e Xororó vieram para cá [no primeiro pouso realizado no Aero-Amil, no ano passado], o piloto me ligou pedindo pela autorização e um preço. Naquele caso, nem cobrei nada, só uma foto”, recorda Reis.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio