Raul Sartori

Jornalista graduado em Ciências Sociais, atua na imprensa catarinense há cerca de 40 anos - raulsartori@omunicipio.com.br

As Agências de Desenvolvimento Regional farão falta?

Raul Sartori

Jornalista graduado em Ciências Sociais, atua na imprensa catarinense há cerca de 40 anos - raulsartori@omunicipio.com.br

As Agências de Desenvolvimento Regional farão falta?

Raul Sartori

Surpresa e impacto
Como se viu, leu e ouviu, ainda ontem, logo após serem anunciadas, causaram muita surpresa e impacto as primeiras medidas do governador em exercício Eduardo Pinho Moreira. Certamente ouvindo apelo popular de anos a fio contra o que todos sabiam ser um cabide de empregos, salvo raras exceções, resolveu, por decreto, desativar 15 – nas próximas semanas é provável que todas as outras 21 também o sejam – das 36 Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs), cujo custo de manutenção em 2017 foi de R$ 619 milhões, e outras quatro secretarias executivas. Tomou o cuidado de equilibrar as da cota do MDB e do PSD. De cara, serão dispensados os ocupantes de 185 cargos comissionados. Pelo que se observou na entrevista em que anunciou esta e outras medidas, Moreira não quer passar a ideia de rompimento com o governo do qual foi vice-governador até semana passada, mas ter sua própria marca nesses 10 meses de mandato, impulsionado por com uma agenda positiva que catapulte sua candidatura à chefia do Executivo nas eleições de outubro.

Faz falta?
A pergunta que dispensa resposta: as ADRs farão falta? A percepção que se tem é que não, ou quase nada. E as pessoas razoavelmente informadas e apartidárias sabe dizer o motivo: desde seu início, com raras exceções, a proposta, até aplaudida – que era a descentralização administrativa ou “deslitoralização”, como fazia questão de salientar seu idealizador, o então governador Luiz Henrique da Silveira – foi rapidamente modificada de forma que as então SDRs só passaram a servir para acomodar políticos derrotados pelas urnas em cargos comissionados cuja ocupação, quando vão trabalhar, é simplesmente intermediar, quando não contribuir para atrasar, impedir (para adversários) e desviar, recursos do estado.

O cara
Se todos concordam que o cenário para as eleições presidenciais de 2018 ainda encontra-se nebuloso, já é quase um consenso no meio político que ao menos um horizonte é possível enxergar: o de que o próximo pleito será um terreno fértil para os candidatos de fora da elite política, os chamados “outsiders”. O nome desses dias se chama Pedro Parente, presidente da Petrobras, visto como alguém capaz de agradar parte do PSDB, do governo, do mercado e da mídia. Ele tem uma extensa lista de amigos em SC, do tempo em que foi o manda-chuva da RBS. Pode ser o cara, sim. Mas, cadê os votos?

Tudo devagar
É o que dá um governo burocrata, quase parando e deixando estados e municípios angustiados. Somam-se em dezenas os milhões gastos por prefeitos e vereadores que quase todo dia, em comitivas, tem que ir à Brasília tentam destravar projetos enviados, muitos de anos, para diversos ministérios.

Imobilidade
Triste país esse. No momento 99 propostas de emenda à Constituição (PECs), prontas para pauta do Plenário no Congresso Nacional, estão com sua votação suspensa em razão da intervenção federal no Rio de Janeiro. Isso porque a Constituição Federal não pode ser emendada durante a decretação de estados de sítio, de defesa ou de intervenção federal. Entre as PECs estão a da Previdência. Há ainda outras 330 aguardando o parecer de admissibilidade, 128 pela criação de comissão especial, 27 esperando a constituição desse colegiado, sete de parecer em comissão especial e duas do despacho do presidente.

Traição
Deputados das bancadas do PP, PT, PMDB e PSD na Assembleia Legislativa estão batendo no governador licenciado Raimundo Colombo por ter ido ao Supremo Tribunal Federal pedir a inconstitucionalidade da Emenda Constitucional 72/2016, que aumentou gradualmente os percentuais que o Executivo tem que dar para a saúde, de 12% para 15%, na proporção de 0,5% por ano. A emenda foi patrocinada por mais da metade das câmaras de vereadores do Estado.

Celular bloqueado
O Senado aprovou projeto do senador Paulo Bauer (PSDB-SC), que agora está na Câmara dos Deputados, estabelecendo o direito de o usuário bloquear o uso de celular em caso de furto, roubo ou extravio, assegurada a manutenção do seu número. Atualmente, o usuário que bloqueia o celular tem dificuldades para manter o número, principalmente se está fora da cidade de registro da linha.

Correção
O excelente jornalista Jorge Pontual, da escritório da Rede Globo em Nova Iorque, não é paciente do médico psiquiatra Guido Boabaid May, como informado aqui. Ele é um dos exemplos mais recentes e mais ilustres que já obteve sucesso no seu tratamento guiado pelo teste genético desenvolvido em Florianópolis para depressão, após 40 anos tomando a medicação errada para atenuar a doença.

Surpresa e impacto Como se viu, leu e ouviu, ainda ontem, logo após serem anunciadas, causaram muita surpresa e impacto as primeiras medidas do governador em exercício Eduardo Pinho Moreira.
Conteúdo exclusivo para assinantes

Para ler todas as notícias, assine agora!

Oferta especial para você ficar
bem informado SEM LIMITES

Menos de

R$ 0,35
ao dia
R$ 9,90 ao mês
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio