Passando os bairros Dom Joaquim e Cedro Alto, em uma das saídas da rodovia David Hort, no Ribeirão do Mafra, existe uma estreita estrada que liga Brusque a Nova Trento, que sequer é identificada por serviços de localização como o Google Maps.

O nome, conforme o aplicativo, é “Unnamed road” – literalmente “rua sem nome” -, apesar de estar a menos de 15 km do Centro de Brusque. Ali, é preciso entrar em uma subida de uma pequena estrada de barro, que não é um desafio fácil para qualquer veículo, para encontrar a Vivenda Árvore da Vida, uma propriedade rural que utiliza um sistema de cultivo pouco conhecido ao público geral: a agrofloresta.

Jefferson Francisco Costa, proprietário da vivenda, limpa o canteiro dos voluntários para iniciar novas plantações | Foto: João Vítor Roberge

Diferente dos sistemas agrícolas tradicionais, que consistem em monocultura (o cultivo de um único produto: apenas soja, feijão, milho ou trigo, por exemplo), e muitas vezes em modificar as plantas para que sejam cultivadas em determinado tipo de solo e clima, a agrofloresta busca uma agricultura sustentável, integrando floresta e produção de alimentos, criando um solo rico como os de florestas sem exploração. “É usar a floresta a teu favor para produzir alimentos”, explica Jefferson Francisco Costa, o Jefh, proprietário da Vivenda Árvore da Vida.

A ideia de agrofloresta está ligada à agricultura sintrópica, uma vertente agrícola criada pelo agricultor e pesquisador suíço Ernst Götsch, que chegou ao Brasil em 1982. Sintropia significa organização, integração e equilíbrio, ao contrário de entropia (caos e desordem constantes).

Após trabalhar com pesquisas para melhorar a genética das plantas para que sobrevivessem a ambientes e condições adversas, Götsch percebeu que poderia melhorar as condições de ambiente para as plantas. Assim, começou a desenvolver seus principais trabalhos no Brasil.

A agrofloresta é um sistema sustentável de agricultura, que tem ganhado adeptos ao redor do país e de Santa Catarina. Um deles é o brusquense Jefferson.

O Município foi até a Vivenda Árvore da Vida, no Ribeirão do Mafra, em Brusque, para trazer para perto o conceito de agricultura sintrópica e o sistema agroflorestal.

Vivenda Árvore da Vida aposta na agricultura sintrópica de Ernst Götsch / Cleidson Costa/Arquivo pessoal

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980