Alexandre Garcia

Jornalista

Tá maluco

Alexandre Garcia

Jornalista

Tá maluco

Alexandre Garcia

Em Kioto, o presidente da França, perguntou a Bolsonaro se aceitaria uma reunião com ele, Macron, e Raoni. Recebeu de resposta um imediato não. Fosse eu, a resposta seria um “tá maluco?”. Raoni é promoção do cantor Sting, assim como Juruna foi criação do antropólogo Darcy Ribeiro. O Presidente do Brasil explicou ao francês que Raoni “não representa o Brasil, nem a comunidade indígena de onde veio”. Na Europa, Raoni é apresentado como um defensor da Amazônia. Bolsonaro convidou o francês, para um voo sobre a floresta. Um voo atravessando a França de um extremo a outro dura 100 minutos. Pelo mesmo tempo podem voar sobre a Amazônia e só ver floresta.

A França vê o Brasil como um país exótico, na sua exuberância tropical. Mulheres semi-despidas, praias, macacos e cobras, índios e floresta sendo devastada. E os índios, os “bons selvagens” de Rousseau. Exotismo trazido por Gauguin e seu impressionismo no Taiti. As utopias dos escritores sobre lugares paradisíacos do outro lado do mar. E visitantes pouco civilizados, que se comportam mal em Paris, falando alto nos restaurantes.

Veja também:
Dez motivos para participar do 6º Festival Nacional da Cuca, que acontece neste fim de semana em Brusque

Identificada a vítima de acidente fatal na Antônio Heil, em Brusque

Grupo de pesquisa do IFC de Brusque desenvolve cerveja funcional

Um colega meu de Jornal do Brasil, Luiz Edgar de Andrade, chegou a atribuir ao Presidente De Gaulle uma frase dita em francês pelo embaixador brasileiro: “Le Brésil n’est pas un pays sérieux”.

Bolsonaro deu resposta à altura também à senhora Merkel, de que não aceitamos tutelas na política do meio ambiente. A Alemanha extrativista acabou com seu bioma original e hoje seu verde é de reflorestamento. E emite sete vezes mais carbono que o Brasil. O brasileiro confirmou a adesão ao Tratado de Paris, que estabelece metas de proteção ambiental, e Macron terminou por servir água a Bolsonaro, como mostra uma simbólica foto. O encontro em Kioto de líderes das 20 maiores economias do planeta serviu de vexame para os que noticiaram que Bolsonaro ficaria isolado e que não seria recebido por Merkel e Macron. Mas Bolsonaro conseguiu até fechar acordo entre o Mercosul e a União européia.

Brasileiros derrotados em outubro, sem conseguir platéia em seu país, vão para a Europa falar mal da terra em que nasceram. Eu mesmo vi e ouvi, um dia, um ex-ministro de Dilma, dizer a uma ministra do Reino Unido que não há democracia no Brasil. A gente costuma falar mal de nosso país entre nós – isso é saudável. Mas falar mal da nossa família para os vizinhos e amigos parece traição. O Nordeste, que está cheio de gente, está vazio de ONGs; a Amazônia, que é um vazio de população, está cheia de ONGs. Quando o dinheiro fácil cessa, falam mal de nós lá fora e impressionam os europeus. Tão malucos.

Veja também:
Moradores do Jardim Maluche se reúnem para discutir problemas de barulho na praça

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Prefeitura de Blumenau abre vagas para médicos e farmacêuticos

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio
Artigo anterior
Próximo artigo