O ano do Brusque começou com o gol de Hélio Paraíba no empate em 1 a 1 com o Joinville pelo Catarinense em 16 de janeiro e terminou com o quinto título da Copa Santa Catarina nos pênaltis diante do Marcílio Dias, seu arquirrival. No meio desta maratona de 54 jogos, um número que deve ser um recorde nestes 32 anos de clube, houve o acesso à Série C do Brasileiro, com uma goleada arrasadora sobre a Juazeirense. Menos de um mês depois, a conquista da Série D do Campeonato Brasileiro, no mais épico dos jogos.

O ano será 2059, talvez um pouco mais, talvez um pouco menos. O Brusque estará disputando uma final de Copa do Brasil, de Copa Sul-Americana, de Série B do Catarinense, ou até mesmo de Série D do Campeonato Brasileiro. A semana antes do jogo será tensa, e os torcedores que estarão no mesmo Augusto Bauer, ou na Arena Havan, saberão que a conquista é possível. Alguns viveram o momento, outros apenas ouviram falar, outros assistiram ao documentário, leram as reportagens especiais, mas todos recorrerão à História.

O torcedor vibrante e guerreiro se lembrará do glorioso e campeão de três décadas atrás. Diversos personagens já estão marcados para sempre na história do Brusque. Júnior Pirambu, artilheiro da Série D; Thiago Alagoano, artilheiro da temporada, o homem que levou a Batalha de Manaus para os pênaltis com um gol improvável; Zé Carlos, cobrando o pênalti decisivo que estava destinado para Magrão; Waguinho Dias e Jersinho Testoni, técnicos campeões que entendem o significado do clube; Moisés e Bambam, dupla que arrebentou na Copa SC. E tantos outros, num ano em que Brusque foi a Capital do Futebol Catarinense.

E foi pensando na História que O Município preparou este especial. São números e mais números da mais fantástica temporada do Brusque Futebol Clube. Jogos, gols e cartões dos 55 atletas que estiveram no campo ou no banco de reservas. Ranking de artilharia. De cartões. De partidas disputadas. As estatísticas dos técnicos. Os recordes da temporada. O gráfico do público presente, jogo a jogo. As campanhas nas cinco competições disputadas pelo Marreco.

Tudo isto ilustrado com fotos de Marcio Costódio, de O Município, e Lucas Gabriel Cardoso, fotógrafo do clube. A maior parte das imagens é inédita, jamais publicada até então. E as legendas ajudam o leitor a recordar bons e maus momentos desta longa temporada.

A coleta de dados foi feita ao longo de 2019 com conferências pontuais, e a princípio era um arquivo para a reportagem utilizar na cobertura do clube. Mas com tanto material legal, e em um ano tão quadricolor, a História merece ser publicada.

Boa leitura.

Deixe uma resposta