Análise identifica alumínio e ferro no rio Guabiruba Sul

Minerais não são tóxicos e nem causaram danos; canalização de usina hidrelétrica levou substância para a água

Análise identifica alumínio e ferro no rio Guabiruba Sul

Minerais não são tóxicos e nem causaram danos; canalização de usina hidrelétrica levou substância para a água

A substância de cor laranja encontrada no dia 11 de junho no rio Guabiruba Sul, em Guabiruba, foi identificada. A amostra da análise laboratorial apresentou uma quantidade excedente de alumínio e ferro, que não são tóxicos e nem prejudicou o meio ambiente. Na última segunda-feira, 22, o Município Dia a Dia já havia noticiado que a amostra preliminar indicava a presença de material orgânico ou mineral.

O resultado chegou na tarde da última terça-feira, 23, à Secretaria de Meio Ambiente de Guabiruba após o resultado ser liberado pela CTQ Análises Químicas Ambientais, de Santo André (SP) e pelo Laboratório Regional da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento Básico (Casan) de Florianópolis.

A secretária Bruna Eli Ebele explica que havia uma usina hidrelétrica, hoje desativada, nos anos de 1970 entre os bairros Lageado Alto e Planície. “Com a quebra de barreira, rompeu a caneleta, essa água lavou o solo e os minerais foram parar no rio”, diz, afirmando que havia um corte de vegetação próximo à canalização. “Foi esse corte que causou instabilidade no solo”. De acordo com ela, é um crime ambiental, difícil de encontrar o suspeito. “Foi danificada a vegetação rasteira”.

A presença dos minerais no rio não é maléfica ao meio ambiente, segundo Bruna. “Não provocou a mortalidade de peixes e nenhum dano à flora e fauna”, frisa, ressaltando que até o momento os maiores danos foram relacionados a sobrecarga dos filtros da Estação de Tratamento de Água (ETA) da Casan. “Continuaremos atentos e monitorando a área”, diz.

O engenheiro químico, responsável pelo setor de Qualidade de Água e Esgoto da Superintendência Metropolitana da Casan, José Luciano Soares, diz que a análise microscópica e volátil apresentou significativa presença de minerais, no entanto, aponta que a população não teve prejuízos. “Essa água não foi distribuída para a comunidade e no dia seguinte da constatação já foi regularizado o abastecimento”.

O abastecimento da água em Guabiruba ficou interrompido nos dias 11 e 12 de junho e as aulas na rede municipal e estadual foram canceladas.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio