Conteúdo exclusivo para assinantes
Herbert Pastor

Empresário - herbertpastor@omunicipio.com.br

Apelo ao bom senso

Herbert Pastor

Empresário - herbertpastor@omunicipio.com.br

Apelo ao bom senso

Herbert Pastor

Dois acontecimentos extremamente fortes abalaram a vida emocional da população nos idos de agosto e nos primórdios de setembro: o incêndio do Museu Nacional no Rio de Janeiro e o atentado ao candidato da extrema direita à Presidência da República, Jair Bolsonaro.

Além de muito mais, a perda total do insubstituível acervo do museu acaba de nos privar de nossa identidade cultural e passa a ser o testemunho eloquente do descaso total dos governos com a nossa cultura.

Veja também:
Número de eleitores na região de Brusque cai pela primeira vez desde 2000

Morre Orlando Muller, o Pipoca, um dos fundadores dos Jasc

Tribunal de Justiça nega recurso e acusado de homicídio irá a júri popular em Brusque

Já os trágicos e inadmissíveis acontecimentos de Juiz de Fora, que tornaram o candidato Bolsonaro vítima de um atentado, reintroduziram definitivamente a violência na política nacional, além de ferir profundamente a já abalada democracia da nação.

Temos plena consciência que o exercício da democracia nunca foi uma tarefa simples: significa aprender a escutar, avaliar, dialogar e principalmente respeitar e tolerar ideias e concepções diferentes, sem apelar à agressividade e violência para com aqueles que pensam de outra forma. Infelizmente, não é o que se observa neste momento em nosso país.

Há muito sentíamos a polarização politica no Brasil alcançar dimensão alarmante: esquerda contra direita, Lula contra Bolsonaro e ambos os lados fartamente alimentados com notícias “fakes” e discursos agressivos, carregados de ódio, principalmente nas redes sociais.

A cientista política Hannah Arendt afirma que “o vácuo de idéias é o lugar ideal para acolher o mal e banalizar a violência”. É o que está acontecendo conosco.

Decididamente, nada justifica uma agressão física, mas temos que concordar que Bolsonaro “vive cutucando a onça com vara curta”. Suas ideias e posturas sempre polêmicas, truculentas e radicais, passam ao eleitorado a certeza de vai resolver nossos problemas na base da porrada e do chute. Resta perguntar, como?

Sua candidatura baseia-se nos “antis”: anti-Lula, PT, esquerdas, imprensa, TV Globo, pesquisas eleitorais, enfim, na visão do candidato só é bom para o Brasil quem pensa igual a ele: o resto é lixo comunista.

Bolsonaro fala em armar a população, matar a petralhada a tiros, fuzilar Fernando Henrique Cardoso, fechar o Congresso Nacional, além de endeusar a ditadura militar de 1964 e seu torturador mór, coronel Ustra.

Veja também:
Prefeitura de Brusque é condenada a indenizar morador que caiu de ponte pênsil 

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Mulher é encontrada morta em rua de Indaial

Por mais estranho que possa parecer, as suas propostas exóticas acabam empolgando significativos segmentos da população, não necessariamente por concordar com suas ideias, mas sim pela descrença e frustração da “via democrática”, que nos afunda sempre mais neste atoleiro em que nos encontramos.

Creio que chegou a hora de que as forças democráticas devem levantar-se para desestimular o extremismo de qualquer coloração política e isolar os radicais para que o Brasil não mergulhe de vez na instabilidade e no caos. Isto também vale para os caciques fundamentalistas locais, que adoram jogar mais lenha na fogueira.

As eleições que se aproximam são de importância fundamental para o futuro do país. Devemos deixar as emoções de lado e escolher um presidente pacificador, com planos e projetos condizentes com um futuro progressista que o Brasil merece.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio