Atletas do bolão 16 tentam reconquistar ouro no Jasc após 14 anos

A única vez que o município foi o grande campeão da modalidade na competição estadual foi em 2000

Atletas do bolão 16 tentam reconquistar ouro no Jasc após 14 anos

A única vez que o município foi o grande campeão da modalidade na competição estadual foi em 2000

Nos últimos quatro anos, Brusque ‘bateu na trave’ no Bolão 16 dos Jogos Abertos de Santa Catarina. Foram duas medalhas de bronze – em 2010 e 2012 – uma prata – em 2011 – e um quarto lugar no ano passado. A busca pelo ouro, no entanto, segue no pensamento dos atuais representantes da equipe. A única vez que o município foi o grande campeão da modalidade na competição estadual foi em 2000.

A luta por um bicampeonato no bolão vem amadurecendo. Desde 2010, em todos os anos o município chega às semifinais. Em média, dez cidade participam da competição. Nesta edição, além de Brusque, entram no páreo Itajaí, Blumenau, Caçador, Indaial, Joinville, Rio do Sul, Chapecó, Irani e Timbó. As competições da modalidade iniciam no dia 15 e terminam no dia 17. Todas as partidas serão realizadas nas pistas da Sociedade Tiradentes.
Luta contra favoritos
Apesar de pensar no ouro, o coordenador da equipe de Bolão 16, Frank Paza, mantém os pés no chão quanto às suas expectativas. Para ele, o título não sai das mãos de dois municípios, Blumenau e Itajaí. O município que vai sediar a competição, inclusive, se sobressai devido ao investimento da modalidade. “Itajaí conta com muitos atletas e boa estrutura. Para que se tenha uma ideia, eles formaram uma segunda equipe, que vai representar Rio do Sul”, afirma.
Mas esse fato não desanima o coordenador. Ele observa que Brusque tem tradição na competição. Paza acredita que a cidade possa surpreender por jogar sem a pressão de medalhas, como acontece com Itajaí, município obcecado por erguer o troféu geral dos Jasc em casa. “O jogo é o momento. Um deslize dos adversários e nós podemos chegar lá. Ano passado, quase surpreendemos Itajaí, franco favorito ao título. Somente nas últimas bolas eles nos eliminaram”, diz Paza.

O atual grupo que defenderá Brusque nos Jasc é experiente dentro da competição. Não haverá nenhuma estreia de atleta brusquense. Isso deve-se, também, a falta de renovação da modalidade dentro do município, conforme afirma o coordenador. Ele revela que por muitos anos a prefeitura não incentivou o Bolão 16, o que fez com que atletas brusquenses acabassem defendendo outros municípios. “Entre as gestões municipais em Brusque, essa é a que mais colaborou com nosso esporte. Mesmo assim, falta apoio”, afirma. Este ano, Paza conquistou o ouro no Campeonato Brasileiro de Bolão 16 entre clubes. No entanto, o brusquense representou um clube de Joinville, o Alvorada.

A falta do líder
Paza precisou ‘matar no peito’ uma grande responsabilidade desde o ano passado. O grande entusiasta, líder e atleta do Bolão 16 de Brusque, Agostinho Böing, faleceu de maneira inesperada em maio de 2013, quando a equipe, inclusive, contava com sua presença nos Jasc realizados em Blumenau. Como ele era o incentivador, a equipe se sentiu desmotivada de acordo com Paza. Foi então que o atual coordenador decidiu que a modalidade não iria parar. Seguiu com as partidas e treinos que são realizados nas pistas da Sociedade Beneficente, no bairro Primeiro de Maio.

Böing totalizou 30 participações nos Jasc: ganhou seis medalhas de ouro, seis de prata e outras quatro de bronze somente no Bolão 16, no entanto, nem sempre disputando por Brusque. Antes do bolão, Böing havia conquistado dois ouros e uma prata no arremesso de peso entre os Jasc de 1972 e 1975.

A competição
O Bolão 16 segue praticamente as mesmas regras do boliche. O atleta precisa arremessar uma bola em uma pista na intenção de derrubar o maior número de pinos no final da pista. A diferença é de que a bola desta modalidade não possui furos e tem 16 centímetros de diâmetro – por isso a modalidade recebe este nome. O peso da bola a ser arremessada, que é de plástico, varia entre 2,8 e 2,9 quilos.

Durante os duelos entre municípios, quatro atletas disputam ao mesmo tempo, sendo dois de cada delegação. Nas pistas 1 e 3 é disputada a categoria “cheio”, ou seja, assim que os pinos são derrubados, são recolocados automaticamente para novo arremesso. Já nas pistas 2 e 4, a categoria “limpa” é disputada. Neste segmento, o atleta precisa arremessar o número de bolas necessárias para derrubar todos os nove pinos. Quanto mais bolas ele necessitar para ‘limpar’ a pista, menos pontos irá fazer.

Atletas que representarão Brusque no Bolão 16

Ademar Berkenbrock
Aurélio Nasguewitz
Carlos Holz
Frank Paza
Lenomir de Farias
Pedro Mauro Viana
Rafael de Souza
Rafael Orthmann
Renan Riedi
Valdírio Vanolli

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio