Aumenta o número de focos do mosquito da dengue em SC

Os municípios em situação mais preocupante são Chapecó e São Miguel do Oeste

Aumenta o número de focos do mosquito da dengue em SC

Os municípios em situação mais preocupante são Chapecó e São Miguel do Oeste

Mesmo com o clima seco das últimas semanas, Santa Catarina registrou do início de janeiro deste ano até o dia 8 de fevereiro, 822 focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. O aumento é considerável se comparado ao mesmo período de 2013, quando foram registrados 466 focos.

A gerente de Zoonoses e Entomologia da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE), Suzana Zeccer, alerta que a previsão de chuvas para os próximos dias é preocupante, pois os recipientes secos que possuem ovos do mosquito e estão em condições de acumular água podem se transformar em novos focos.

Os municípios em situação mais preocupante são Chapecó, com 577 focos, e São Miguel do Oeste, com 126. No período de 13 a 17 de janeiro deste ano, esses dois municípios realizaram o Levantamento do Índice de Infestação do Mosquito da Dengue. Esse levantamento ajuda a traçar a situação do município e permite direcionar ações de combate à dengue para as áreas mais críticas.

O levantamento em Chapecó apontou que, em média, a cada 100 imóveis, dois têm focos do Aedes Aegypti. Mas essa situação não é linear. O município foi dividido em nove áreas, obtendo índices de infestação que variaram de 0 a 3,9%, sendo a maior preocupação o bairro Efapi, que está em situação de alerta.

Em São Miguel do Oeste, o índice do município foi de 0,8%, o que significa que a cidade está em situação de menor risco, mas não satisfatória. Apesar do aumento do número de focos, esse ano ainda não foram registrados casos de transmissão autóctone de dengue em Santa Catarina.

Orientações para evitar a proliferação

– Coloque areia nos pratos das plantas;

– Guarde garrafas com gargalo para baixo;

– Mantenha lixeiras tampadas;

– Deixe os depósitos para guardar água sempre vedados, sem nenhuma abertura;

– Remova duas vezes por semana a água acumulada em folhas de plantas, como as bromélias;

– Trate a água da piscina com cloro e limpe uma vez por semana;

– Mantenha ralos fechados e desentupidos;

– Lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;

– Retire água acumulada em lajes;

– Dê descarga no mínimo uma vez por semana em banheiros pouco usados;

– Mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;

– Evite acumular entulho, pois podem se tornar locais de foco do mosquito da dengue.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio