A história da maioria dos clubes de futebol amador é cheia de altos e baixos. O número de variáveis para o funcionamento das equipes é bem diferente dos times profissionais, que mantêm uma estrutura muito maior e mais firme. 

No amador, algumas equipes surgem, se destacam e depois, por uma série de acontecimentos, acabam desaparecendo. É o caso do Flamenguinho, do bairro Ribeirão Porto Franco. Fundado em 1998, o time chegou a ser duas vezes campeão municipal, mas, há dez anos, foi desativado.

Ex-presidente, técnico e capitão do Flamenguinho, Amauri Cestari participou da fundação do clube e conta que o nome do time surgiu porque, na cidade, já existiam clubes inspirados por outras equipes grandes, como Palmeirinha, Grêmio, Figueira, Botafogo, Fluminense e São Paulo. “Sobrou o Flamengo para gente. Eu sou são-paulino, foi uma coincidência”.

Além dos campeonatos municipais, o Flamenguinho também disputou vários torneios em Botuverá e cidades da região. Cestari lembra que o time chegou a enfrentar a equipe juvenil do Brusque em uma preliminar de uma partida profissional do quadricolor contra o Avaí.

Porcos e bezerros

Durante o relativamente curto período na ativa, o Flamenguinho deixou sua marca nos torneios da cidade. Ao invés dos tradicionais troféus e medalhas aos vencedores, começaram a premiar os clubes com porcos e bezerros.

“Troféu fica às vezes de lado, mas o pessoal queria comer. Depois disso, outros clubes começaram a fazer o mesmo e a gente ganhou também muitos porcos e bezerros de premiação. A gente ia com o caminhãozinho para os torneios, porque, se ganhávamos, já trazíamos para casa”, conta Cestari.

Em uma das oportunidades que o Flamenguinho saiu com um porco como prêmio, após um torneio no Ourinho, os jogadores passaram por maus-bocados para chegar com o “troféu” em casa.

“O time inteiro foi para o torneio em cima do jipe a gás. E acabamos estourando os quatro pneus, e o porquinho sendo segurado atrás. Tinha gente sentada no pára-choque, outros pendurados. Viemos de lá para baixo com os pneus furados, chegamos em casa meia-noite e ainda tinha que cuidar da estufa para colher o fumo de manhã”.

Apesar dos perrengues, Cestari recorda da época com muita alegria. “O que fizemos nessa história, hoje não faríamos mais, fomos jogar em Blumenau, Gaspar, Itajaí, Tijucas, São João Batista…Mas foi muito bem aproveitado”.

Memória perdida

Mesmo com a dificuldade de fechar o time só com atletas do bairro, que é pequeno, o Flamenguinho confeccionou um estatuto e teve uma sede, com um campo de futebol, salão e cancha de bocha. Cestari destaca que uma característica forte da equipe era a organização.

“Éramos muito unidos, mobilizava a comunidade. A gente fazia reunião com sócios e jogadores, marcava com alguns dias de antecedência, e todo mundo demonstrava interesse e participava. Tinha muita gente para assistir os jogos”.

O clube organizou bailes, realizou confraternizações entre os sócios e outros eventos, mas, aos poucos, a equipe se desmobilizou e foi se perdendo.

“Agora o salão foi vendido e colocaram uma tecelagem lá. O campo foi virado para plantar fumo, agora construíram uma casa lá. Até fizeram um campo novo mais à frente, mas ninguém mais joga, está lá parado. Os jogadores foram ficando velhos, não teve mais interesse dos jovens para a renovação, então a gente continuou por um tempo até que parou. Não tem mais nada”.

As medalhas e os troféus foram se perdendo com o tempo. Datas e documentos também. Desde então, os eventos e as atividades no Ribeirão Porto Franco foram diminuindo, mas as lembranças de um tempo mais alegre, mesmo que borradas ao longo do tempo, permanecem.

“A gente se reúne com alguns colegas e comenta ainda, mas o que fica são as memórias. Infelizmente, foi assim. Foi uma época muito boa”.


Você está lendo: – Bicampeão municipal, Flamenguinho deixa as lembranças de um tempo bom


Leia também: 

– Futebol Bergamasco: o almanaque do amador de Botuverá

– Após fusão, Águas Negras emerge com a força da comunidade

– Areia Baixa se consolida por meio da iniciativa de “filho” do bairro

– Fundado na década de 1960, Figueira venceu seis dos últimos dez campeonatos em Botuverá

– Com remanescentes desde a fundação, Gabiroba se estabelece como força do amador

– Famoso por torneio realizado há mais de três décadas, Grêmio mostra força da tradição

– Los Bandoleiros tem sucesso meteórico e acumula conquistas

– Pioneiro em Botuverá, Ourífico ostenta história de mais de 80 anos

– Fundado em 1940, Ourinho se orgulha de trabalho social e espírito de comunidade

– Fundador, presidente e dono do estádio: Paulo Sorer é a cara do Sessenta

– Campeão municipal quatro vezes, União deixa futebol no passado

– Vila Nova chegou a ter dezenas de sócios, mas sofre com desmobilização da comunidade

– Mais condições, menos compromisso: times de Botuverá sofrem com perda de interesse dos jovens

– GALERIA – Conheça os campos dos times amadores em Botuverá

– Atrás do sonho de serem atletas profissionais, jovens de Botuverá se aventuram pelo Brasil

– Apaixonados pelo esporte, irmãos Leoni levam o futebol nas veias

– Destaque do futebol amador, Nando foi para Botuverá quando criança e não saiu mais

– Mário Botuverá levou o nome da cidade pelo Brasil e voltou para treinar jovens

– Time de futebol feminino de Botuverá disputou campeonatos fora da cidade

– “Gosto de viver perigosamente”: árbitro conta histórias sobre organização de torneios em Botuverá

Deixe uma resposta