Conteúdo exclusivo para assinantes

Bolsas de colostomia estão em falta na rede pública de saúde, em Brusque

Previsão da Secretaria de Estado da Saúde é normalizar a entrega até dezembro

Bolsas de colostomia estão em falta na rede pública de saúde, em Brusque

Previsão da Secretaria de Estado da Saúde é normalizar a entrega até dezembro

Pacientes ostomizados que precisam utilizar as bolsas de colostomia estão tendo dificuldades em ter acesso ao material que é distribuído gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Brusque.

O material é adquirido pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) e enviado aos municípios por meio das Gerências de Saúde, das Agências de Desenvolvimento Regional (ADR).

De acordo com a enfermeira da Policlínica de Brusque, responsável pela distribuição do material, Franciele de Lorenzi, o problema tem acontecido desde o mês de agosto. Segundo ela, tem meses que a Secretaria de Estado de Saúde tem enviado o material em quantidade menor do que a necessária. Hoje, 50 pacientes fazem uso das bolsas de colostomia em Brusque.

“No mês de setembro não recebemos as bolsas de uma marca específica, aí teve bastante falta. Em outubro, também não recebemos de outra marca e agora em novembro não sabemos quantas virão”, diz.

Franciele explica que existem vários modelos de bolsas e a escolha de cada modelo para cada paciente é feita pelo médico. “O modelo usado depende muito do tipo de cirurgia que foi feita e o médico define qual tipo o paciente deve usar, por isso, a falta de modelos afeta os pacientes”.

A enfermeira diz que as bolsas são extremamente necessárias para pacientes ostomizados, que precisam efetuar a troca, no máximo, a cada sete dias. “Tem paciente que consegue ficar com a mesma bolsa uma semana, tem outros que somente três dias. O recomendado é até sete dias. É um material necessário e bastante caro para se comprar”.

De acordo com ela, só é possível saber a quantidade que terá para o mês, quando o estado manda o material. “Quando recebemos o material é que vamos saber se vai ter para todos os pacientes ou não”.

O que diz a SES
Questionada pelo O Município sobre o problema, a Secretaria de Estado de Saúde, por nota, informou que está liquidando as pendências financeiras com os distribuidores das bolsas de colostomia em Santa Catarina.

A previsão da pasta é que na próxima semana já comece a chegar alguns tipos de bolsas no Centro de Distribuição da SES. “Na medida do possível serão feitas as entregas aos municípios”, diz a nota.

A expectativa é que esta situação esteja regularizada até o final da primeira quinzena de dezembro.

O que é
A colostomia é a exteriorização no abdome de uma parte do intestino grosso para eliminação de fezes. A colostomia é feita quando o paciente apresenta qualquer problema que o impede de evacuar normalmente pelo ânus. As fezes saem pelo estoma  e são coletadas em uma bolsa plástica adaptada à pele.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio