Bronca da diretoria marca apresentação de Lio Evaristo

Após Joceli alegar 'corpo mole' de alguns atletas, dirigentes conversaram com jogadores nesta quinta-feira (27)

Bronca da diretoria marca apresentação de Lio Evaristo

Após Joceli alegar 'corpo mole' de alguns atletas, dirigentes conversaram com jogadores nesta quinta-feira (27)

A reapresentação do Brusque após a derrota para o Avaí, a terceira consecutiva na competição, foi tensa nesta quinta-feira (27). Uma conversa áspera da diretoria com os atletas deu o tom do encontro. Após o técnico Joceli dos Santos pedir demissão e externar que alguns jogadores estariam de ‘corpo mole’, os dirigentes foram rápidos não só na contratação do substituto, Lio Evaristo, mas também para tomar as rédeas da situação. 

Leia também

“Não posso admitir que uma equipe que nem o Brusque, que vinha em ascensão, montada, preparada e trazendo resultados positivos, com os salários rigorosamente em dia, possa cair desta maneira”, declarou o presidente, Danilo Rezini, em entrevista coletiva antes de uma conversa reservada com os atletas. O dirigente diz que já vinha falando com o grupo em razão da queda de rendimento, mas que a partir de agora teria que mudar o tom do discurso. 

“Sempre procuramos elevar o alto astral dos jogadores, sabendo que eles têm qualidade e potencial, mas acho que chegou no limite”, diz Rezini. “Hoje, o Brusque está a apenas um ponto da zona de rebaixamento. É inadmissível, e não aceitamos porque são atletas de qualidade, com currículos vencedores e que passaram por uma triagem para estar aqui. Não podem deixar o clube nesta situação”.

Saída de Joceli
O presidente do clube ainda esclareceu sobre a saída de Joceli. Disse que tinha um contato permanente com o treinador e que ficou surpreso tanto com a decisão, quanto com as declarações do ex-comandante. “Quando voltávamos de carro de Florianópolis, ouvindo uma emissora de rádio, ficamos sabendo que o Joceli havia pedido demissão e que achou melhor sair para não prejudicar o clube, já que alguns atletas não estariam assimilando seu trabalho e um ou dois acreditavam que tinham lugar cativo no time”, comentou.

Rezini garantiu que, caso necessário, medidas mais enérgicas podem ser tomadas pela diretoria do clube. “Vou procurar saber o que está acontecendo dentro do grupo de jogadores e, se precisar tomar alguma atitude, assim faremos, mas creio que uma boa conversa resolva. Os jogadores vão levantar a cabeça para que possamos ir bem nas últimas três partidas e buscar esta vaga na Série D”.

Grupo fechado
O zagueiro Cleyton garantiu após a conversa que o grupo está fechado e os jogadores ainda confiam na vaga na competição nacional. “Eles estão na razão deles de cobrar, mas a gente já vinha conversando dentro do ônibus, somando pontos para ver como iria fazer. Mas ainda dá, sim, o grupo está fechado, como sempre foi, indiferente de quem entra jogando ou não. Confiamos que ainda podemos conseguir”..
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio