Grande parte das fotos que eternizaram a Brusque antiga e que hoje são bastante conhecidas pela população, foram tiradas a partir do olhar dos fotógrafos Theobaldo e Waldemar Scharf.

Os irmãos eram os proprietários do estúdio Foto Brasil, o primeiro de Brusque, e por muitos anos, foram os responsáveis por retratar as famílias, os principais acontecimentos e o cotidiano da cidade.

Não se sabe a data exata em que os irmãos começaram no mundo da fotografia e nem quando o estúdio abriu as portas em Brusque. O fato é que existem registros de fotos feitas por eles já no fim dos anos 30.

Dono de um acervo gigante de fotos de Brusque, o fotógrafo Erico Zendron, 91 anos, conta que aprendeu a fotografar com Waldemar. “Comecei a fotografar com eles em 1945. Se tinha outro fotógrafo, não me lembro. Eu não tinha máquina, não tinha nada, mas como me dava bem com Waldemar, nós saíamos juntos e eu comecei a pedir a máquina para bater fotos e ele emprestava”.

Os irmãos Theobaldo, Hilário e Waldemar Scharf; Theobaldo e Waldemar trabalharam no Foto Brasil | Foto: Curto Fotos Antigas de Brusque/ publicada por Edgar Ricardo von Buettner

A partir de então, Erico começou a passar muito tempo na companhia dos dois fotógrafos da cidade. O Foto Brasil ficava no primeiro andar de um prédio, localizado onde hoje é a rua Rui Barbosa, no Centro, nas proximidades da Cacau Show.

Lá, além de fazerem fotos das famílias, também trabalhavam na revelação das imagens, inclusive, fazendo alguns retoques. 

“Eles batiam fotos com aquele aparelho grande, que precisava ficar com a cabeça dentro daquele pano. O que não ficava muito bem eles retocavam na própria chapa. Lembro que o Theobaldo ficava no estúdio na parte da frente e eu via ele retocando com lápis, às vezes a foto tinha um branco ou alguma coisa e eles retocavam”.

Zendron lembra que naquela época, quem queria tirar foto precisava ir até o estúdio dos irmãos. Isso acontecia até com o time de futebol.

Várias das imagens que hoje existem da rua Rui Barbosa em direção à avenida Cônsul Carlos Renaux foram tiradas por Theobaldo e Waldemar da sacada do Foto Brasil.

Anúncio do Foto Brasil | Foto: Curto Fotos Antigas de Brusque/publicado por Jaqueline Kuhn

“Quando o Brasil estava na guerra, toda vitória que tínhamos na Itália se fazia festa aqui em Brusque, na praça do Centro, e as fotos da festa eles faziam da sacada”, recorda.

O Foto Brasil existiu até mais ou menos a década de 1960, quando Waldemar se mudou para Florianópolis. Theobaldo já havia deixado Brusque algum tempo antes.

Quando estava fazendo sua mudança, Waldemar jogou várias chapas, fotos já reveladas e os negativos na lixeira em frente ao estúdio.

Erico, que naquela época trabalhava na Zendron Esporte, viu quando todo aquele material foi descartado. Ele conta que não pensou duas vezes e resgatou boa parte das fotos e dos negativos do lixo. O material permanece com o fotógrafo até hoje e, graças a ele, vários registros históricos e raros de Brusque continuam intactos.

“Eu fui catando o que me interessava. Ele jogou no lixo mesmo. Eu sempre digo que deveria ter pegado o lixo todo”, afirma.

Erico lembra com carinho dos amigos que possibilitaram a ele o contato com o mundo da fotografia. Para ele, Brusque deve muito aos irmãos Theobaldo e Waldemar Scharf.

“Todas as fotos velhas de Brusque que tem por aí devem ser tudo deles. São verdadeiras relíquias. Eu também devo muito a eles”.


Você está lendo: Brusque eternizada


Leia também:
– Introdução
– As aventuras e desventuras de Heinz Willrich
– A geladeira brasileira nasceu em Brusque
– O brusquense que criou Sadol e Melagrião
– A caleça de Rodolfo Pruner
– Pelas águas do rio Itajaí-Mirim
– O primeiro circular de Brusque
– Revolução no comércio de Brusque
– José Belli: exímio marceneiro e carpinteiro
– Banco catarinense, mão brusquense
– As aventuras do alfaiate Gustavo Krieger
– A loja dos brusquenses
– Anos de glória e queda da Casa do Rádio

– A breve e bela história da Rojan
– A história centenária das salas de cinema
– O hotel da família Schaefer
– As cervejas que marcaram época
– Vida e morte da Loja das Malas
– História de 109 anos
– A pioneira da metalmecânica
– O inconfundível sabor da geladinha
– O primeiro jornal dos brusquenses
– A companheira dos brusquenses
– História centenária
– A fábrica de arroz do Bateas
– Helga Kamp, a proprietária da primeira escola de idiomas de Brusque
– O point chique dos anos 50 e 60