Brusque FC consegue adiar julgamento no Tribunal de Justiça Desportiva

O advogado do Marreco questiona denúncia do Marcílio Dias, que pode tirar título do turno da equipe comandada por Rogério Perrô

Brusque FC consegue adiar julgamento no Tribunal de Justiça Desportiva

O advogado do Marreco questiona denúncia do Marcílio Dias, que pode tirar título do turno da equipe comandada por Rogério Perrô

A diretoria do Brusque FC conseguiu adiar o julgamento no Tribunal de Justiça Desportiva de Santa Catarina (TJD), no qual o clube é réu por supostamente ter escalado um jogador de forma irregular na partida do dia 30 de maio, contra Tubarão.

Segundo o advogado do Marreco, Zilton Vargas, a medida foi solicitada em virtude do clube não ter tempo hábil para preparar sua defesa. “O Brusque foi notificado apenas no fim da tarde de sexta-feira. Por lei é necessário que o clube tenha três dias úteis para poder preparar sua defesa”, explica.

A expectativa do advogado é de que o julgamento seja marcado para próxima. “Eles têm três dias para intimar. Normalmente o TJD só faz os julgamentos nas terças-feiras”, declara.
Defesa
Vargas já prepara toda documentação que será apresentada para defesa do clube. Ele terá que argumentar contra denúncia do Marinheiro sobre uma eventual escalação irregular do jogador Venício dos Santos Rocha. O atleta não chegou a atuar na partida válida pela segunda rodada, mas ficou no banco de reservas. 

O Marinheiro alega que o atleta relacionado como “não-profissional” não estaria apto em ser escalado nesta situação, por ter completado 20 anos no mês de março. O clube de Itajaí se baseia no artigo 43 da Lei Pelé, que especifica que ‘é vedada a participação em competições desportivas profissionais de atletas não-profissionais com idade superior a vinte anos’.

Para o advogado do Bruscão, o caso gera dupla interpretação. “Não existe algo taxativo. O que é superior a 20 anos? 21? A lei não esclarece que com 20 anos e um dia o atleta esteja irregular”, defende.
Outros julgamentos
A procuradoria do TJD também acatou denúncia do Marinheiro contra Concórdia e Hercílio Luz por situações semelhantes de escalação irregular de jogadores. Outras cinco equipes também estariam com problemas e devem ser julgadas nos próximos dias. As exceções seriam Caçador e Marcílio Dias.

A diretoria do Concórdia, que pode perder até 42 pontos por supostamente ter utilizado um jogador irregular em sete partidas, cogita entrar com um pedido de paralisação do Campeonato até que todos os casos sejam julgados. O argumento é de que não há porque o clube disputar os demais jogos da competição, pois caso o clube seja penalizado com a perda de todos os pontos já estaria rebaixado para Divisão de Acesso.
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio