Brusque Futebol Clube e Clube Atlético Carlos Renaux travam guerra por causa do aluguel do Estádio Augusto Bauer

Polêmica em jogo do Campeonato Municipal de Futebol Amador, no sábado, 2 de junho, aumentou tensão entre as diretorias dos clubes

Brusque Futebol Clube e Clube Atlético Carlos Renaux travam guerra por causa do aluguel do Estádio Augusto Bauer

Polêmica em jogo do Campeonato Municipal de Futebol Amador, no sábado, 2 de junho, aumentou tensão entre as diretorias dos clubes

O Brusque Futebol Clube segue sua briga com o Clube Atlético Carlos Renaux sobre o aluguel do Estádio Augusto Bauer – de propriedade do “vovô do futebol catarinense”.

No sábado, 2 de junho, Carlos Renaux e América se enfrentariam no Augusto Bauer, pela 7ª rodada do Campeonato Municipal de Futebol Amador. Quando as duas equipes, arbitragem e torcedores já estavam no local do jogo, porém, se observou que o portão de acesso ao gramado estava trancado com um cadeado. 

O presidente do Renaux, José Carlos (Juca) Loos, e o presidente do Brusque, Mauricy Pereira de Souza, se encontraram no estádio, mas o mandatário do Marreco não liberou o local para a realização da partida, aumentando ainda mais a já tensa e estremecida relação entre as diretorias dos dois clubes.

O que diz o Renaux

Conforme Juca Loos, o presidente do Brusque afirmou que só permitiria o uso do Augusto Bauer pelo Carlos Renaux no sábado se fosse retirado o processo de despejo.

– Uma coisa não tem nada a ver com a outra. O Mauricy insistiu para que eu prometesse que ia retirar a ação, e eu disse que isso não era possível agora. Se é pra ir para a briga, nós vamos. Só voltamos a conversar quando eles devolverem o estádio para nós, como é de direito. Não somos contra o Brusque jogar no Augusto Bauer, mas é preciso respeitar nosso patrimônio – destacou o presidente do Carlos Renaux.

O que diz o Brusque

O presidente do Brusque, Mauricy Pereira de Souza, explicou que vem negociando há seis meses com representantes do Carlos Renaux uma nova minuta de contrato para locação do Augusto Bauer, e que a longa indefinição da diretoria do “vovô do futebol catarinense” motivou a ação de sábado.

– Não mais será cedido nenhum espaço nas instalações locadas até que se estabeleça e finalize as negociações da minuta em questão. Eu desafiei o Juca Loos no sábado, que se ele falasse que era a autoridade para resolver o contrato de minuta, eu daria um jeito de abrir o portão. Mas ele não assumiu, ou seja, ele não consegue assumir a autoridade dele como presidente. Eu preciso que me digam quem é que manda no Carlos Renaux, porque até agora eu negociei com o Juca mas ninguém assumiu a responsabilidade, então eu fui feito de palhaço. Se ninguém manda naquilo lá, passa pra nós que a gente toma conta – declarou.

**Saiba mais na edição impressa do Jornal Município Dia a Dia desta terça-feira, 5 de junho.
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio