Brusque mantém cinco empresas no ranking das 500 maiores do Sul

Melhor colocada é a Brashop, do Grupo Havan, na 100ª posição da lista

Brusque mantém cinco empresas no ranking das 500 maiores do Sul

Melhor colocada é a Brashop, do Grupo Havan, na 100ª posição da lista

A Revista Amanhã, em parceria com a empresa de auditoria e consultoria Price Waterhouse Cooper (PwC), divulgou nesta terça-feira, 20, a lista das 500 maiores empresas do Sul do Brasil. De Brusque, cinco empresas figuraram neste ranking: Brashop, ZM, Irmãos Fischer, Quimisa e Zen.

Os responsáveis pela organização do prêmio realizam, há 28 anos, este que é considerado o mais importante ranking regional de empresas do Brasil. Além do levantamento geral, são divulgados também as 100 maiores empresas por estado, entre Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Para chegar a este status de ‘maior’ e quantificar e qualificar as companhias, a Revista Amanhã e a PwC criaram um indicador exclusivo chamado de Valor Ponderado de Grandeza (VPG). O índice reflete, de forma equilibrada, o tamanho e o desempenho das empresas, a partir de um cálculo que considera os três grandes números do balanço: patrimônio líquido (que tem peso de 50% no cálculo do VPG), receita líquida (40%) e lucro líquido ou prejuízo (10%).

Embora divulgada neste ano, a lista é referente às movimentações de 2017. A melhor colocada entre as brusquenses foi a Brashop, que pertence ao Grupo Havan. Ela ficou na 100ª posição geral e 21ª em Santa Catarina, sendo que em 2016 não chegou a aparecer no ranking.

Quem também teve o que comemorar com a nova lista foi a ZM. A empresa de peças automotivas subiu mais de 20 posições no comparativo com 2016. Zen, Irmãos Fischer e Quimisa também aparecem na lista.

Satisfeito com a posição
Dono do Grupo Havan, Luciano Hang se mostrou satisfeito com a primeira aparição da Brashop no ranking. A empresa é voltada para o segmento de consultoria, investimentos e administração de bens. Para ele, isso motiva a busca de posições melhores.

“Cada vez que você entra em um ranking, isto melhora o seu desempenho. Você quer sempre estar mais acima, isso faz muito bem. É como correr uma maratona, você sempre quer a melhor performance. Vamos continuar crescendo, nos desenvolvendo pensando no país. O Grupo Havan é competitivo, quer sempre o melhor”.

Crescendo na crise
Mesmo não tendo sido um dos melhores anos para o mercado financeiro nacional, e, por consequência, para a classe empresarial, a ZM escalou 21 posições em 2017 no ranking das 500 maiores empresas do Sul. Entre as catarinenses, subiu dez posições e ficou na de número 71.

Do setor automotivo, conforme explica o CEO da ZM, Alexandre Zen, foi a primeira empresa em termos de rentabilidade. Zen afirma que um dos principais fatores para este crescimento, enquanto muitas companhias patinaram, foi manter a qualidade e a variedade na produção. “O grande sucesso para ter alcançado estes bons índices foi o desenvolvimento de novos produtos. O mercado se retraiu, mas todos os anos registramos crescimento e em nenhum tivemos déficit”.

O diretor da ZM confessa que se surpreendeu com os números registrados na lista. “Nosso trabalho foi firmado para que nunca caíssemos, e mantivéssemos nossa posição, mas superou minha expectativa. Isso significa, também, que outras empresas desceram estes degraus que subimos”.

Ele afirma ainda que, a tendência, é subir ainda mais em 2019, com os números de 2018. “Tivemos um ano difícil, com eleições e greve dos caminhoneiros, mas mesmo assim devemos crescer em faturamento e índice de rentabilidade. É certo que iremos galgar mais alguns degraus”.

Empresas de Brusque na lista

Dez maiores de Santa Catarina

Dez maiores do Sul