Brusque terá ambulatórios de pronto atendimento em quatro bairros

Medida pretende agilizar atendimentos emergenciais, hoje centralizados na Policlínica e no Hospital Azambuja

Brusque terá ambulatórios de pronto atendimento em quatro bairros

Medida pretende agilizar atendimentos emergenciais, hoje centralizados na Policlínica e no Hospital Azambuja

A Secretaria de Saúde de Brusque planeja colocar em funcionamento a regionalização do pronto atendimento na rede pública dentro de três meses. A ideia é que os pacientes sejam atendidos em unidades de referência em quatro macrorregiões: Águas Claras, Santa Terezinha, Centro e Dom Joaquim.

O secretário de Saúde, Humberto Fornari, explica que a regionalização foi pensada para agilizar os atendimentos à população. Hoje, os atendimentos são realizados apenas na Policlínica, do Centro de Serviços em Saúde, após o horário de expediente; e no Hospital Azambuja.

A medida já foi apresentada ao prefeito Jonas Paegle, que deu o aval para a sua implantação. A regionalização ainda não ocorreu por causa da falta de dinheiro da prefeitura. Mas a expectativa de Fornari é que dentro de três meses haja a disponibilidade orçamentária e as licitações estejam feitas. Será contratada uma empresa para fornecer mais médicos para o atendimento estendido.

Segundo o secretário, a regionalização é apenas do pronto atendimento – ou seja, emergências, urgências médicas e casos de baixíssima complexidade, mas que demandam atendimento rápido sem a necessidade de marcar consulta. As consultas com o clínico geral para tratamento de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e outras, continuará a ocorrer nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Descentralização
A demanda por pronto atendimento em Brusque já foi abordada por várias administrações nos últimos anos. A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas do Santa Terezinha, contratada ainda na gestão de Paulo Eccel, deveria absorver esse serviço. Porém, ela não irá mais funcionar nos mesmos moldes porque a manutenção foi considerada muito cara.

A resposta encontrada pela Secretaria de Saúde foi a descentralização do atendimento daqueles “doentes do momento”, ou seja, os que não precisam de tratamento, somente a consulta para alguma dor repentina, por exemplo.

As quatro regiões (Dom Joaquim, Santa Terezinha, Águas Claras e Centro) foram definidas por causa da sua posição geográfica e tamanho da população atendida. O pronto atendimento deve ocorrer num horário reduzido, no início, mas poderá ser aumentado no futuro, como já ocorre na policlínica.

Segundo Fornari, a ideia é que essas unidades de referência funcionem até 22h ou 23h, quando houver dinheiro e equipes para isso. Em princípio, apenas o Centro e o Santa Terezinha terão o serviço.

ESFs mais fortes
A regionalização quer reforçar o atendimento a pacientes crônicos nas UBS. “Temos que trabalhar as Estratégias de Saúde da Família”, afirma Fornari. O secretário quer que os clínicos dos bairros atendam, principalmente, pacientes crônicos e que precisam de mais atenção e atendimento prolongado.

Em sua gestão, Fornari quer fortalecer os ESFs, com médicos e demais profissionais da saúde mais envolvidos. Com isso, ele espera reduzir a demanda por consultas nas UBS e agilizar o atendimento e encaminhamento a especialistas.

Como vai funcionar?
1.
Quando o paciente chegar na UBS, será informado se o caso dele é doença e é atendido ali ou se ele precisa de pronto atendimento. Nesse caso, será redirecionado para a UBS de pronto atendimento de referência. Caso ele já saiba como proceder, poderá ir ao pronto atendimento diretamente.

2. No pronto atendimento, o paciente será atendido por um médico. No entanto, esse serviço não é indicado para o tratamento de doenças, apenas para dores e demandas ocasionais.

O que é pronto atendimento?
O pronto atendimento é direcionado para emergências e casos de baixa complexidade, mas que demandam atendimento rápido sem a necessidade de marcar consulta. Ele já acontece, por exemplo, no Centro de Serviços em Saúde, após o expediente.

E a urgência?
A urgência médica continuará a ser atendida no Hospital Azambuja.

Haverá fechamento de postos de saúde?
Não. Segundo a Secretaria de Saúde, as unidades de referência receberão reforço de funcionários e atenderão em horário estendido, no futuro. No entanto, não haverá fechamento de UBS.

Quando começa?
A mudança ainda não tem data certa, mas a previsão é que ocorra em junho, primeiramente no Centro e no Santa Terezinha.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio