Brusquense já passou por quatro países durante mochilão pela América do Sul

Vicente Bertoli Lando deixou o município há dois anos para viver na Argentina; atualmente ele vive no Peru

Brusquense já passou por quatro países durante mochilão pela América do Sul

Vicente Bertoli Lando deixou o município há dois anos para viver na Argentina; atualmente ele vive no Peru

O brusquense Vicente Bertoli Lando, 23 anos, encontrou o sentido da vida nas coisas simples. Cansado de ser o típico “bom cidadão”, como se intitula, há dois anos ele abandonou a faculdade, o trabalho e o conforto do seu lar, no bairro Guarani, para fazer um mochilão pelo mundo. O jovem já viveu na Argentina, Chile, Peru e Equador e há um ano e meio está morando em Cusco, no Peru, na América do Sul.

Desde que saiu da escola até o quarto ano da universidade, onde cursava Direito, o brusquense conheceu muitas pessoas. Nesta época, começou a tocar com seus amigos em uma banda, a Rocket Thieves, e por isso viveu momentos incríveis viajando para outras cidades. Aliás, foi essa experiência que lhe incentivou a se tornar um mochileiro, pois neste tempo conheceu outros viajantes que faziam artesanato e malabarismo.

“Eu já tinha certeza de que não queria seguir vivendo da maneira comum, eu apenas tinha um pouco de receio do mundo exterior, já que sempre me ensinaram que temos que ser bem sucedidos na vida”, conta. Ele ressalta que as pessoas buscam a vida perfeita, com a casa e o carro ideal, com segurança e conforto, porém, esquecem que a vida é uma só e é muito mais do que apenas trabalhar. “Existe um dizer que eu gosto muito, de que – o homem gasta toda a sua saúde para conseguir dinheiro, e ao final acaba gastando todo seu dinheiro para recuperar sua saúde”.

Junto com um amigo, o brusquense caiu na estrada e foi viver inicialmente na Argentina. Segundo ele, sem a menor ideia do que iriam fazer, mas com muita emoção no coração e vontade de conhecer a verdadeira cara da vida. Após quatro meses tomaram caminhos diferentes e Lando decidiu seguir viajando. “Se tornou um tipo de vício, um desejo de seguir e seguir”, diz.

Regra é ser feliz

Lando vive atualmente no Peru com sua companheira, Jackie Ortiz Gutama, que é do Equador, e o cachorro Inti. Eles moram numa escola de yoga como voluntários e como alunos. No fim de dezembro vão terminar o curso e serão professores de yoga habilitados para ensinar em qualquer parte do mundo, e para eles, “isso é incrível!”.

Vicente Bertoli Lando com sua companheira Jackie Ortiz Gutama, em Cusco, no Peru / Foto: Arquivo Pessoal
Vicente Bertoli Lando com sua companheira Jackie Ortiz Gutama, em Cusco, no Peru / Foto: Arquivo Pessoal

Além disso, para “ganhar a vida” Lando aprendeu a fazer malabarismo, artesanato e preparar comidas veganas para vender quando estão em algum lugar com acesso à cozinha. Entretanto, a principal atividade é a música, já que podem tocar em qualquer lugar: na rua, no ônibus, em restaurantes ou contratados por algum bar.

“O melhor de tudo é que o trabalho não é trabalho, e sim diversão e alegria, e quando não conseguimos dinheiro, conseguimos comida ou alojamento, que vale muito mais do que o dinheiro. Vivemos muito felizes, e sem estresse, isso é nossa regra básica”, destaca.

Ele afirma que o tempo de estadia em cada país varia. Diferente do turista, viajar para o jovem é sua maneira de viver. “Eu vivo cada momento e cada cultura o tempo que for necessário, ou até que chegue o momento em que eu sinto que seja hora de partir para outro lugar. Às vezes quando passo muito tempo em um lugar frio, vou para uma praia, ou para a selva, oceanos, lagos, cachoeiras, montanhas nevadas – há muitos lugares maravilhosos”.

Selva do Peru

Viver na casa do curandeiro Shipibo e sua família, na selva do Peru, em Pucallpa, foi uma das experiências mais gratificantes para Lando. Ele morou perto de uma pequena vila indígena chamada Masisea. Para chegar lá precisou andar num barco por seis horas, passando pelo rio Ucayali.

Na selva ele estava longe de tudo e todos, sem luz, sem cama, sem banheiro, sem chuveiro, com pouca comida e com muitos bichos de todos os tipos e tamanhos. Neste lugarejo ele aprendeu que não é necessário conforto para viver bem e feliz, e que quanto mais simples se vive, mais tempo se tem para apreciar o silêncio da noite, o brilho das estrelas, ou o ruído dos animais.

Na selva, Lando também conheceu o poder das plantas, e que a natureza tem tudo que o ser humano necessita. “Seja comida ou medicina, é a única farmácia que precisamos, pois lá se pode encontrar a cura para tudo”.

A vida ensina

As principais experiências de ser um mochileiro é a constante surpresa do amanhã. O brusquense salienta que a vida lhe ensinou o desapego, a independência, a confiança e a sobrevivência, a observar o mundo de uma maneira diferente, com a mente mais aberta e positiva, e sabendo que sempre existe mais de uma maneira de se fazer as coisas.

“Sinceramente, não sinto falta da zona de conforto, pois como aprendi a desapegar-me das coisas, eu não necessito de nada que não seja extremamente útil e necessário. A partir do momento em que minha casa passou a ser uma mochila, aprendi que são poucas as coisas que necessitamos para viver”, diz Lando, que completa: “Assim que fui deixando muitas coisas pelo caminho, muitas coisas também me foram chegando. É incrível como funciona de verdade essa coisa de dar para receber, parece mágica”.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio