Conteúdo exclusivo para assinantes

Brusquense troca cartas com cubano há 10 anos e sonha em conhecê-lo

Silvana Maurício e Horácio Batista fizeram primeiro contato por meio de anúncio em revista

Brusquense troca cartas com cubano há 10 anos e sonha em conhecê-lo

Silvana Maurício e Horácio Batista fizeram primeiro contato por meio de anúncio em revista

Um caderno com páginas deformadas por colagens de correspondências é guardado com todo o cuidado no guarda-roupas de Silvana Maurício, 45 anos. O material é conhecido pelas duas filhas, mãe e duas amigas da moradora do bairro Limoeiro, em Brusque. Nas páginas estão cartas, cartões e fotos recebidas, desde 2007, de Horácio Navas Batista, 35, morador da província de Holguín, em Cuba.

Eles começaram a trocar cartas depois de ver um anúncio de Batista em uma revista brasileira. Desde lá, ela nunca ouviu a voz do cubano. O alto custo e a instabilidade das ligações entre Brasil e Cuba são empecilhos para ambos.

Uma tentativa de ligação por telefone ocorreu há cinco anos, mas para o número da irmã de Silvana, no bairro Dom Joaquim. No entanto, devido à distância entre as casas, não conseguiu atender a tempo.

Conversas pela internet são descartadas devido ao controle governamental na comunicação dos moradores do país. Segundo ela, mesmo para as cartas há um controle e a comunicação recebe a ajuda de familiares de Batista.

A cada nova correspondência recebida, Silvana se esforça para responder na mesma semana. Depois do envio, as postagens chegam a demorar quase dois meses para chegar. Nas cartas, eles contam sobre sua rotina, família e situação de cada país. Também há espaço para trocas de presentes, como flores e até uma Bíblia enviada por ele.

Viagem para Cuba
A vontade de conhecer seu correspondente fez Silvana juntar dinheiro por cinco anos para viajar até o país caribenho. Ela abdicou da compra de um carro para viabilizar o projeto. Desde novembro, quando recebeu a última carta de Batista, ela tem feito acompanhamentos médicos para ter mais segurança para a viagem.

De acordo com ela, a relação criada após tantos anos de comunicação lhe dá segurança. Seu único receio é quanto à possibilidade de entrada no país.

Segundo Silvana, ela não esperava conseguir manter o contato por tanto tempo. Ela brinca com o fato de utilizar um meio de comunicação tão pouco popular nos dias de hoje. “Sempre gostei de escrever. No início, cheguei a falar para ele que não daria certo, devido à distância. E eu sempre fui centrada no que escrevi, até para ele entender também”.

Por cinco anos, Silvana manteve um namorado no Brasil. No período, ela já trocava correspondências com Batista e o hábito não interferia no relacionamento. Com a amizade gerada, é comum eles trocarem informações sobre suas famílias. Entre as fotos recebidas por ela estão registros do cubano com a mãe e irmãos em pontos da cidade onde moram.

Apoio de amigos
As poucas pessoas que acompanham a história de Silvana, demonstram apoio ao projeto. Nádia Silvestre, 38, é amiga dela há 27 anos e acompanhou toda a história. Para ela, desde as primeiras cartas, houve muita afinidade entre a brusquense e o cubano, apesar da demora entre uma carta e outra. “Ele é uma pessoa sonhadora como ela e torço que consigam fazer um encontro mágico.”

Com a proximidade que tem com Silvana, ela já tentou organizar uma campanha por redes sociais para ajudar a amiga. Pretendia sensibilizar algumas pessoas para custear o projeto. Na época, a ideia acabou não avançando e Silvana reuniu os recursos sozinha.

Durante a adolescência, lembra, ela própria chegou a trocar cartas com amigos moradores de outros estados, mas, com o tempo, a comunicação foi esquecida. Ela fala com orgulho sobre o cuidado de Silvana com seu arquivo. O caderno com recortes poucas vezes sai do quarto e é só manuseado para amenizar a saudade e adicionar alguma atualização.

Outra amiga, Bibiana Petry, 47, conheceu a história há cerca de três meses. Do susto inicial, ela desenvolveu admiração pela persistência dos dois em se comunicarem. Ela reforça o desejo de um desfecho feliz para a história. “No início, achei uma loucura, mas é uma experiência incrível. Depois de tanto tempo, creio que seja um interesse sincero.”

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio