Brusquenses fazem solicitação para obter a cidadania de Luxemburgo

Prazo para conseguir o documento encerra em dezembro deste ano

Brusquenses fazem solicitação para obter a cidadania de Luxemburgo

Prazo para conseguir o documento encerra em dezembro deste ano

Até dezembro deste ano, brasileiros com antepassados de Luxemburgo podem solicitar a dupla cidadania ao Grão-Ducado europeu. Em Brusque, há diversos sobrenomes que podem ter origem luxemburguesa e que são comuns na região.

O professor Celerino Rauber é um dos brusquenses que entrou com a solicitação para obter a nacionalidade. Além dele, dois irmãos e seis sobrinhos estão na busca pelo documento. Eles deram entrada no processo no início deste ano, com as traduções das certidões para o francês e o encaminhamento da documentação para o Grão-Ducado. A ligação com Luxemburgo vem pelo sobrenome Ames, que é o da família de sua mãe.

Veja também:
Prefeitura de Brusque anuncia pacote de contenção de gastos até o fim do ano

Conheça as principais reclamações na ouvidoria da Prefeitura de Brusque

Iniciativa privada aposta no desenvolvimento turístico de Guabiruba

Já próximo da aposentadoria, Celerino acredita que a requisição da nacionalidade luxemburguesa pode auxiliar na continuidade de seus estudos: “Consegui chegar até o mestrado e sonho com doutorado no exterior. E, sem dúvida, uma cidadania europeia é uma janela que se abre”, diz ele, que é diretor de uma escola no bairro Volta Grande.

Celerino conta que quem foi atrás de tudo desde o início foi o sobrinho Daniel Martendal, morador de São José. Daniel ficou sabendo da dupla cidadania de Luxemburgo ainda em 2011, quando estava montando sua árvore genealógica. Em suas pesquisas, esbarrou na possibilidade devido ao sobrenome “Marthendal”: “Mais tarde, foi esclarecido que os Marthendal são originários da Prússia, que viria a ser parte da atual Alemanha. Neste momento, sabendo da quantidade de Luxemburgueses que vieram ao Brasil, passei a procurar em minha árvore genealógica algum sobrenome luxemburguês, e eis que tive a sorte de ter”, conta.

A decisão de buscar a cidadania, para Daniel, é fruto de vários fatores: “Primeiro, a ideia de deixar algo a mais de herança para meus filhos. Segundo, pela possibilidade de ter um passaporte europeu influenciar nossa vida, desde poder fixar moradia, receber auxílio para estudar lá, não necessitar de visto para determinados países, por exemplo.”

Além disso, o que o motivou a fazer a cidadania o quanto antes foi o prazo estabelecido pelo Grão-Ducado para a recuperação da nacionalidade. Quem tem um antepassado luxemburguês em linha não-direta tem até dezembro deste ano para enviar a documentação. Após, a obtenção da cidadania só será possível para os que são descendentes diretos de luxemburgueses.

Processo
Após identificar a descendência, foram quatro anos de pesquisa e buscas pelas certidões que provassem a ligação com os antepassados luxemburgueses, para então poder solicitar uma segunda via aos cartórios e fazer as traduções. Só aí é que Daniel pode fazer a solicitação para a recuperação da nacionalidade.

“No processo da família da minha esposa encontrei a documentação em aproximadamente um ano e meio. Basicamente, podem-se conseguir as documentações por si só, buscando pelos documentos necessários, ou contratando um consultor que auxiliará na busca destes, para posterior tradução para alemão ou francês e envio dos documentos diretamente ao Ministério da Justiça em Luxemburgo. Pode-se ainda recorrer ao consulado honorário de Luxemburgo”, explica.

Veja também:
Serviço público em Brusque: homens aposentados ganham em média R$ 800 a mais do que mulheres

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Festival de Massas arrecada dinheiro para ajudar animais de rua em Blumenau

De acordo com Daniel, o tempo necessário para a obtenção do documento depende de cada caso, desde o levantamento das certidões até conseguir descobrir exatamente onde viveram os antepassados. “O processo tem levado em torno de seis meses entre o envio da documentação e o recebimento do certificado que, dependendo do antepassado, pode ser a aquisição direta de nacionalidade. No meu caso, recebemos o certificado de que temos um antepassado luxemburguês e é necessário comparecer a Luxemburgo para assinar a requisição de recuperação de nacionalidade.”

Ele e alguns familiares que também estão buscando a dupla cidadania já receberam o certificado de que possuem um antepassado luxemburguês – alguns, inclusive, já são considerados cidadãos de Luxemburgo. Daniel irá até o Grão-Ducado em março do próximo ano, e sua esposa está aguardando o recebimento do certificado para poder programar a viagem.

Após esta assinatura, ainda há um tempo de espera de cerca de quatro a seis meses para obter a confirmação da obtenção da nacionalidade. “Após um ou outro processo é possível ir novamente a Luxemburgo e obter o sonhado passaporte europeu e a identidade luxemburguesa.”

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio