Quando os italianos chegaram à região do Vale do Itajaí entre o fim do século 19 e início do século 20, os alemães já estavam bem adaptados à vida no Brasil. Ainda não estabelecidos, procurando um lugar para prosperar, os imigrantes da Itália foram nas regiões mais altas e montanhosas, fora da área central.

Foi assim que muitos dos italianos, principalmente oriundos da província de Bérgamo, foram parar em Botuverá, localidade que na época ainda pertencia a Brusque. Mas o que era para ser uma retaliação acabou sendo um verdadeiro presente para muitos destes homens e mulheres que buscavam um recomeço em outro continente. Nestas terras até então desprezadas estavam escondidas diversas belezas e riquezas de valor inestimável, provindas da natureza.

Há cerca de quatro gerações, descendentes de italianos possuem uma propriedade rural que conta com um dos mais bonitos atrativos naturais de Botuverá: a Cachoeira da Água Fria. Localizada no bairro Lageado, fica aos fundos da residência da família. O acesso é fácil, mas a propriedade é particular. Entre as famílias que estão envolvidas na história da cachoeira está a Comandoli.

Vida no campo
Dentro da propriedade, vive-se uma experiência pura da vida no campo. Um belo açude na entrada recepciona os visitantes. Ao lado da residência, as tangerinas crescendo em um pé estão no ponto para o consumo. Mais à frente, antes da porteira que leva para a cachoeira, galinhas curiosas observam quem por ali passa.

Foto: Cristóvão Vieira

Assim que se cruza a porteira, percebe-se o esforço e o capricho da família dona das terras para manter a preservação do belo lugar. Uma caminhada curta cruza o rio. As pedras podem servir de apoio para quem não quer molhar os pés, mas o mais recomendável é ter a experiência de caminhar pelo raso rio.

Em pouco menos de 20 metros, a cachoeira salta aos olhos dos visitantes. Tranquila, límpida e exuberante, faz a água do alto seguir seu destino com a dramática queda. Tão bonito quanto a queda, porém, é o fosso que ela forma quando acumulada nas pedras. Praticamente uma piscina natural, convidativa para um banho na água pura. O nome de Água Fria é bastante lógico. Localizada em uma das partes altas do município, a cachoeira tem sua temperatura mais reduzida.

Cachoeira é uma das mais tranquilas do município / Foto: Cristóvão Vieira

Pelos lados do rio, há alguns caminhos que se pode fazer pela mata. Principalmente na margem direita, há enormes mangueiras conectadas no rio, que servem para utilizar a água pura e limpa para o dia a dia. É com o uso desta água, bombeada, que é feito o açude. O estabelecimento de mangueiras para coletar a água de rios é algo bastante comum em Botuverá, aproveitando a pureza dos recursos hídricos. E são encontradas em diversos cursos de água no município.

Cachoeira da Água Fria
Endereço: Estrada Geral do Lageado, em propriedade particular
Acesso: Precisa de autorização dos proprietários
Nível de dificuldade: Fácil
Riscos: Mínimos
Sinalização: Sem sinalização


Você está lendo: Cachoeira da Água Fria


– Introdução
– Potencial turístico
– Parque das Grutas
– Morro do Barão
– Rebio da Canela Preta
– Floresta dos Xaxins
– Fazenda Alegre
– Travessia dos Lageados
– Trilha das Minas Abandonadas
– Travessia ao Faxinal do Bepe
– Trilha dos 100
– Trilha do Graff
– Recanto Feliz
 Cachoeira do Bégo
– Cachoeira do Venzon
– Cachoeira do Lageado Baixo
– Salto do Sessenta
– Rio Itajaí-Mirim
– Roteiro turístico