Um passeio por Botuverá é considerado incompleto se o visitante não passar pela Cachoeira do Venzon. O local é bastante tradicional, e é há décadas um dos principais pontos de encontro de amigos e familiares botuveraenses que apreciam o lazer junto à natureza.

Ao chegar no espaço é possível entender o motivo de ser um sucesso de visitas. Um encontro perfeito do rio com o verde da mata atlântica está totalmente preservado. Árvores, pedras e o inconfundível som da queda de água estão caprichosamente à disposição dos visitantes.

Além de moradores de Botuverá, a cachoeira recebe pessoas de todo o país, principalmente no período do verão. Moradores de ambientes urbanos e metrópoles, buscando alguns momentos de paz longe da correria dos grandes centros, encontram na Cachoeira do Venzon uma excelente fuga da poluição sonora e visual das cidades.

O espaço é estruturado para receber os visitantes. Há lanchonete, mas mesmo assim é liberado a presença com bebidas e alimentos. Inclusive, o local tem à disposição de seus visitantes algumas churrasqueiras. A tranquilidade também é preservada, sendo que não é permitido som alto nas imediações.

Local é aberto para o público, com cobrança de entrada / Foto: Cristóvão Vieira

Patrimônio de Botuverá

Patrimônio botuveraense, a cachoeira das terras da família Venzon fez parte da infância e da juventude de muitos moradores do município. Com o passar dos anos, mais pessoas foram se interessando no lugar, e a possibilidade de proporcionar uma estrutura para o turismo ecológico foi aproveitada.

Atualmente, embora o local ainda seja de propriedade dos Venzon, está sob nova direção desde março de 2018. Cansada de morar na região urbana de Brusque, Vanessa Severino mudou-se com o marido e a filha para a casa que fica próxima da cachoeira, administrando também o negócio, já que a família que empresta o nome para o local não teve mais interesse.

Segundo ela, há planos para desenvolver ainda mais o ambiente, se tornando um local propício para o ecoturismo. “Pretendemos fazer um restaurante aqui. Queremos investir, apostar na cachoeira para dar mais possibilidades aos visitantes”.

Com o aumento do fluxo de visitantes, contudo, foi necessária a tomada de uma série de decisões para controle da preservação da natureza e segurança dos banhistas. Os saltos de longa distância e os mergulhos de ‘ponta’, que eram algumas das firulas feitas pelos mais antigos frequentadores, foram proibidos.

Local é aberto para o público, com cobrança de entrada / Foto: Cristóvão Vieira

Há uma série de locais em que não se é mais permitido ultrapassar, principalmente para subir ao topo da cachoeira. Os novos administradores também realizaram investimentos para melhorar a segurança, com marcações na cachoeira e limites de pontos do rio que não podem ser ultrapassados. “Nós temos dois guarda-vidas nos fins de semana e um e durante a semana”.

No verão, a cachoeira fica aberta diariamente. Após a estação, a abertura dos portões para os visitantes fica condicionada ao clima. Como não há movimento com o clima frio, neste período o local é fechado, aguardando a próxima temporada de verão e dias mais quentes.
A Cachoeira do Venzon tem cobrança de taxa simbólica de entrada para manutenção do espaço, sendo que menores de 12 anos não pagam, mediante apresentação de documento.

Cachoeira Venzon
Endereço: Estrada Geral do Ribeirão de Porto Franco, na Trilha do Bego
Acesso: Permitido
Nível de dificuldade: Fácil
Riscos: Mínimos
Sinalização: Sinalizado


Você está lendo: Cachoeira do Venzon


– Introdução
– Potencial turístico
– Parque das Grutas
– Morro do Barão
– Rebio da Canela Preta
– Floresta dos Xaxins
– Fazenda Alegre
– Travessia dos Lageados
– Trilha das Minas Abandonadas
– Travessia ao Faxinal do Bepe
– Trilha dos 100
– Trilha do Graff
– Recanto Feliz
 Cachoeira do Bégo
– Cachoeira do Lageado Baixo
– Salto do Sessenta
– Cachoeira da Água Fria
– Rio Itajaí-Mirim
– Roteiro turístico