Câncer de mama: Ciúmes gera barreiras para mulheres que gostariam de fazer tatuagem após operação

Tatuador teve grande procura após publicação de reportagem

Câncer de mama: Ciúmes gera barreiras para mulheres que gostariam de fazer tatuagem após operação

Tatuador teve grande procura após publicação de reportagem

No fim de outubro, o tatuador Ivo Miguel Buss, de 28 anos, lançou um projeto para tatuar gratuitamente mulheres que retiraram a mama devido ao câncer. Entretanto, ele tem esbarrado em um problema desde o lançamento: o ciúmes de alguns maridos. Duas mulheres que haviam marcado o procedimento acabaram desmarcando devido a isso.

Leia também: Tatuador de Brusque inicia projeto para tatuar gratuitamente mulheres que retiraram a mama

“O meu conselho seria o casal vir até o estúdio, conversar, para os maridos verem que é algo totalmente profissional, e que inclusive eles podem acompanhar o procedimento. Eles têm que ter em mente que isso é uma coisa que pode realmente mudar a vida da mulher que está ao lado deles”, afirma o tatuador.

Assim como ele, a presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Brusque, Sônia Rieg Fischer, também aconselha os maridos a acompanharem as mulheres durante a sessão.

“Eu sugiro que esses maridos acompanhem as mulheres para dar apoio e ver que o trabalho é profissional. Afinal, também é uma doação. O tatuador está trabalhando voluntariamente e a preocupação dele é melhorar a autoestima das mulheres pra elas superarem melhor”, diz.

Segundo Sônia, as mulheres já estão passando por um momento difícil e justamente durante esse momento os maridos precisam ficar ao lado delas. Ela afirma que todo apoio é positivo não só para se recuperar da doença como também para retomar a vida. A presidente também exalta o trabalho do tatuador, em especial, porque é voluntário.

“Eu acho bem legal o trabalho. Muitas mulheres gostaram da ideia, quando ele ofereceu muitas se interessaram”, conta.

Repercussão

Após o Município Dia a Dia publicar a matéria na edição impressa e na internet sobre o projeto, em outubro, Buss conta que a repercussão foi imediata. Pessoas de todos os lugares do Brasil o contataram para saber mais informações.

“Eu até estava conversando com a minha esposa que quem tiver disponibilidade de vir até Brusque, nós vamos fazer. Não importa se a pessoa não é daqui de Brusque. Nós queremos ajudar”, diz.

Embora o projeto seja direcionado a mulheres que sofreram intervenções cirúrgicas na mama, Buss fará, no próximo dia 11, uma tatuagem para cobrir a cicatriz de Marise Tormena, que fez cirurgia de câncer de útero.

A aposentada de 44 anos conta que ficou a par do projeto por meio do jornal e que após ler a matéria entrou em contato com o tatuador. Segundo ela, Buss topou fazer gratuitamente.

“Em três meses eu fiz duas cirurgias e as cicatrizes ficaram muito feias. É muito bom poder tapar com uma tatuagem. O meu sonho sempre foi tapar. Eu valorizo demais o trabalhado dele porque ele está fazendo o bem para muita gente”, afirma Marise.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio