Conteúdo exclusivo para assinantes

Casa do Cônsul Carlos Renaux é alvo de disputa judicial

Herdeiro de Maria Luiza Renaux continua ação de usucapião movida por ela contra a fábrica Renaux

Casa do Cônsul Carlos Renaux é alvo de disputa judicial

Herdeiro de Maria Luiza Renaux continua ação de usucapião movida por ela contra a fábrica Renaux

Desde 2012 a historiadora Maria Luiza Renaux, bisneta do Cônsul Carlos Renaux, tentava ter reconhecida judicialmente a sua propriedade da casa que pertenceu ao bisavô, e que foi mantida por ela até os seus últimos dias de vida, em janeiro deste ano.

A ação de usucapião movida há cinco anos foi ajuizada contra a Fábrica de Tecidos Carlos Renaux, hoje falida, que tem o imóvel registrado como seu patrimônio. Maria Luiza viveu no local por mais de duas décadas e, mantendo-o conservado, clamava o direito de tê-lo como seu, oficialmente.

No entanto, a massa falida não concorda com o argumento. O administrador judicial, Gilson Sgrott, contesta o pedido. Ele explica que a base da contestação é que, na sua avaliação, o que houve foi um empréstimo da residência para Maria Luíza.

Herdeiro de Maria Luíza, seu filho Vitor Renaux Hering recentemente ingressou no processo, mantendo o interesse em prosseguir a ação judicial.

“Não houve a entrada dela [na casa] com intenção de ser dona, aí se caracteriza o usucapião”, afirma o advogado. “Ela entrou mediante autorização da diretoria, e dessa forma não se caracteriza o usucapião”.

Nesta terça-feira, 28, seria realizada uma audiência do processo judicial. No entanto, a juíza Iolanda Volkmann cancelou o ato, tendo em vista que um dos confrontantes (vizinhos) ainda não foi devidamente citado sobre a ação.

Aliás, isso é um dos motivos da ação já se arrastar por cinco anos. Documentos no processo mostram que sempre houve dificuldade em identificar e localizar os vizinhos da residência, os quais precisam, por obrigação legal, se manifestar sobre o pedido de usucapião.

Segundo Sgrott, não é possível apontar quando o caso será solucionado, uma vez que isso depende se, na próxima audiência, ainda a ser marcada, alguns dos vizinhos tenha algo a contestar em relação ao uso do imóvel.

O casarão em disputa fica no alto de uma colina, na Primeiro de Maio, em frente à fábrica Renaux. Foi construído em 1932 e durante anos serviu de moradia para o Cônsul.

O local mantém intactas características originais e objetos antigos, tornando-se uma referência na preservação do patrimônio histórico em Brusque.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio