O coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da instituição, Marcelius Oliveira de Aguiar, será o responsável por desenvolver o museu virtual, propriamente dito. Ele tem diversas especializações sobre realidade aumentada e se colocou à disposição para criar o museu virtual da Villa Renaux.

O processo de criação do museu é bastante semelhante ao de um jogo, explica o professor. De acordo com ele, as ferramentas e os softwares utilizados são os mesmos, mas com outra finalidade. “Ao invés de pensarmos somente em um jogo, estamos pensando única e exclusivamente na educação. Em como passar isso para o usuário”, diz.

Estudantes de Arquitetura e Urbanismo têm parte importante no desenvolvimento do museu virtual | Foto: Bárbara Sales
Com o casarão transformado na estrutura de um jogo, será possível caminhar pela casa, fazer simulações com vários tipos de clima – chuva, sol, nublado – abrir e fechar as janelas, movimentar cadeiras. Tudo o que o visitante poderia fazer se estivesse pessoalmente no local, vai ser possível pelo computador.

O professor destaca que a ideia é criar a ferramenta em plataformas online – para ser visitada por meio do site – e também offline, disponível em CDs, por exemplo, para que professores possam utilizar o conteúdo em sala de aula. “O objetivo de tudo isso é educar de forma clara e lúdica”, diz.

Para poder reproduzir cada canto da casa, Ariele e Paloma precisam medir cada local | Foto: Bárbara Sales

Para que o casarão possa ser visitado virtualmente, o trabalho é bastante intenso. Duas acadêmicas do sexto período de Arquitetura e Urbanismo da instituição, Ariele Mahara Marchi Freitas e Paloma Doabroski Lana, estão redesenhando toda a casa digitalmente.

Elas já fizeram a planta baixa do casarão que servirá de base para o museu virtual e agora trabalham nos detalhes da casa, como as esquadrias. “As janelas têm detalhes bem minuciosos, então nós tentamos deixar o mais próximo possível da edificação original”, explica Ariele.

Para isso, elas precisam medir tudo com a trena, observar cada detalhe e desenhar tudo nos softwares específicos. “Como é uma edificação de 1932, a gente não tem nada do projeto. Tudo tem que ser refeito, medido”, diz.
O coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da instituição, Marcelius Oliveira de Aguiar, será o responsável por desenvolver o museu virtual, propriamente dito. Ele tem diversas especializações sobre realidade
Conteúdo exclusivo para assinantes

Para ler todas as notícias, assine agora!

Oferta especial para você ficar
bem informado SEM LIMITES

Menos de

R$ 0,35
ao dia
R$ 9,90 ao mês