Cinco novos partidos disputarão as eleições em Brusque neste ano

PEN, PROS, PPL, SD e REDE não haviam sido criados em 2012, ano do último pleito municipal

  • Por Redação
  • 10:22
  • Atualizado às 11:35

Cinco novos partidos disputarão as eleições em Brusque neste ano

PEN, PROS, PPL, SD e REDE não haviam sido criados em 2012, ano do último pleito municipal

  • Por Redação
  • 10:22
  • Atualizado às 11:35
  • +A-A

A eleição municipal deste ano terá a participação de 30 partidos, em Brusque. Na eleição passada, em 2012, eram 25 siglas atuantes no município. Ou seja, neste intervalo de pouco mais de três anos, mais cinco novos partidos se estabeleceram na cidade.

Desde o fim de de 2012 até o fim do ano passado, foram criadas comissões provisórias do Partido Ecológico Nacional (PEN), Partido Republicano da Ordem Social (PROS), Partido da Pátria Livre (PPL), Partido Solidariedade (SD) e Rede Sustentabilidade.

Pelo menos quatro dos cinco partidos devem participar ativamente da eleição deste ano, indicando ou candidatos a vereador ou a cargos da eleição majoritária. Devido ao pouco tempo de formação, os novos partidos têm baixos números de filiados.

O PEN destacou-se recentemente por estar pleiteando, judicialmente, o mandato interino da prefeitura, por meio de Silvio Bertolini, candidato derrotado pelo PSDB na eleição passada, mas que ficou em “primeiro lugar” após a anulação de votos de Paulo Eccel (PT) e Ciro Roza (PSD) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Poucos meses atrás, o partido também anunciou apoio à pré-candidatura de Jones Bosio (DEM) à prefeitura, tendo como pré-candidato a vice-prefeito o radialista Jeferson Bianchi.

O PPL também compõem o grupo de apoio a Bosio. Em 2014, o partido estreou nas eleições com o lançamento da candidatura do presidente, Durval Pereira, a deputado estadual. Naquela ocasião, porém, houve uma votação mínima: 199 eleitores.

Um dos partidos já compôs governo

Apesar de novo, o PROS já ocupou espaços importantes na política municipal. Membros do partido, em seu início, compuseram o governo Paulo Eccel, por meio do ex-diretor do Departamento Geral de Infraestrutura (DGI), Artur Antunes, e do ex-diretor da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Jorge Ramos. Ambos não estão mais na sigla.

Agora, as intenções são outras. No fim do ano passado, o PROS apresentou suas ideias para a eleição deste ano. O empresário Jadir Pedrini foi apresentado como pré-candidato à prefeito. Há também mais um punhado de pré-candidatos a vereador.

Mais recente é a criação dos partidos Solidariedade e Rede Sustentabilidade. O SD, presidido pelo advogado Heinz Lombardi, participou da sua primeira eleição em 2014, concorrendo a nível nacional. Para Brusque, neste ano, o partido tem pelo menos 50 pré-candidatos a vereador, lista que deve ser refinada até a data das convenções partidárias.

O Rede, criado em 2015, também se prepara para participar da agenda política do município, ainda sem definição sobre candidaturas. “Chegamos a um consenso de que mais do que candidatos a prefeito ou vereadores, ou de mais um partido, Brusque precisa de uma agenda de politicas públicas que privilegiem o desenvolvimento sustentável para as presentes e futuras gerações”, afirma Diego Emmanoel Serafim Pereira, membro do partido em Brusque e coordenador de comunicação do Rede-SC.

“No momento, ainda é cedo para afirmar se vamos ou não lançar candidaturas na cidade. O certo é que iremos contribuir com o processo eleitoral de 2016, apresentando um plano de governo com soluções sustentáveis”.

Mudança na lei dá mais prazo para organização

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) suspendeu por um ano, na semana passada, a vigência de artigo de uma nova resolução, que trata da criação, organização, funcionamento e extinção dos partidos políticos.

O artigo estabelece que os órgãos provisórios dos partidos são válidos somente por 120 dias. Os ministros resolveram suspender o dispositivo, que passará a vigorar novamente apenas no começo de março de 2017, para permitir que os partidos possam fazer os ajustes necessários nos estatutos, privilegiando a substituição de órgãos provisórios por definitivos.

Aqui em Brusque, a maior parte dos partidos é formada por meio de comissões provisórias, que de provisórias não tem nada: algumas estão em vigência desde 2009, por exemplo, sem formação de diretório.

Os partidos pretendiam excluir essa obrigação de formar diretórios, mas foram derrotados na votação do TSE.


Sem representantes

Atualmente, 35 partidos são reconhecidos oficialmente pela Justiça Eleitoral brasileira. Desses, apenas cinco não estão representados em Brusque. São eles: Partido da Causa Operária (PCO), Partido da Mulher Brasileira (PMB), Partido Novo (PN), Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) e Partido Comunista Brasileiro (PCB)

 

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio