Conteúdo exclusivo para assinantes

Ciretran intensifica processo para suspensão de CNHs de motoristas flagrados embriagados em Brusque

Somente em janeiro, foram abertos 100 procedimentos administrativos com o objetivo de punir quem comete esta infração

Ciretran intensifica processo para suspensão de CNHs de motoristas flagrados embriagados em Brusque

Somente em janeiro, foram abertos 100 procedimentos administrativos com o objetivo de punir quem comete esta infração

Agentes do departamento de Penalidades da Ciretran de Brusque abriram 100 processos administrativos para a suspensão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). O número é resultado de um trabalho desenvolvido no mês de janeiro e aborda casos de motoristas flagrados dirigindo sob efeito de bebida alcoólica. Após a notificação, os condutores tem 30 dias para apresentar defesa. Neste caso, as suspensões duram 12 meses.

O resultado é atribuído ao início da atuação de novos policiais pelo delegado Fernando de Faveri. “Agora conseguimos deixar um policial fixo no setor. Consequentemente, fica mais fácil estabelecer metas para a atuação do setor”.

De acordo com ele, a embriaguez ao volante recebe atenção especial por ser recorrente no município. Ele estima uma média de 25 mortes anuais no trânsito de Brusque, muitas geradas pela ingestão de bebida, enquanto óbitos por armas de fogo oscilam em torno de cinco casos anuais.

Para Faveri, o processo administrativo tem tanta importância quanto o criminal devido ao seu papel educativo. Segundo o delegado, com o ganho de agilidade no setor espera-se conseguir o encaminhamento da suspensão das CNHs no mesmo ano das multas ou prisões.

Resposta à sociedade
A expectativa por maior agilidade no encaminhamento é uma tendência confirmada pelo supervisor do departamento, Pedro Lussolli. Segundo ele, nos próximos meses deve ser mantida média semelhante de casos abertos.

Ele assumiu o departamento na segunda quinzena de janeiro, depois de um período de convocação para prestar serviços no litoral. Ao todo, três pessoas devem atuar no setor ao longo do ano.

“Temos que dar atenção para tudo um pouco, mas essa questão da embriaguez é importante. É uma forma de dar uma resposta para a sociedade”, destaca Lussolli.

Com a falta de um policial para supervisão do setor, muitos dos processos se acumularam. De acordo com ele, a maioria dos processos administrativos abertos em janeiro é de casos flagrados em 2015. Para instaurar o procedimento é preciso ter esgotado os prazos para o motorista recorrer.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio