Comunidades de Brusque se preparam para a procissão de Corpus Christi

Dias antes da data, voluntários se unem em busca de materiais para confeccionar os famosos tapetes

Comunidades de Brusque se preparam para a procissão de Corpus Christi

Dias antes da data, voluntários se unem em busca de materiais para confeccionar os famosos tapetes

Como toda boa festa, é necessário um preparação antecipada para que no dia tudo saia como o esperado. É assim também que acontece com Corpus Christi – a festa da Eucaristia. A data comemorada pelos católicos anualmente, 60 dias após a Páscoa e uma semana depois da celebração da Trindade Santa, rememora o antigo testamento, em que o povo andava no deserto atrás do pão ázimo (sem fermento).

Para comemorar, a Igreja Católica realiza celebrações ecumênicas nas paróquias, seguidas por uma procissão de fé, em que por cima passa o Santíssimo Sacramento. Dias antes, as comunidades já se unem para preparar os materiais que serão utilizados na confecção dos tapetes. É assim que acontece com a paróquia Santa Teresinha. Cerca de 20 dias antes, os voluntários se mobilizam em busca de serragens, tintas, tampas de garrafas pet, pó de café, flores, entre outros objetos.

Neste ano, o administrador econômico e ministro da Sagrada Eucaristia, Nilo Martins, 47 anos, conta que a comunidade conseguiu 28 sacos de 200 litros de serragem, que foram pintados em diversas cores. “Antes do dia é preciso deixar tudo pronto: serragem pintada e seca e os moldes riscados, para no dia apenas colocar o material em cima”, explica.

Nilse Benvenutti Dalago, 72, coordenadora das missões e pastoral do batismo, cresceu participando das preparações para o Corpus Christi e há anos é responsável por preparar os moldes no papel pardo. “Coloco a imagem no projetor, colo o papel na parede e faço os traços por cima”, ensina. Os desenhos escolhidos buscam ter uma ligação com a data, a representação de cada comunidade e também o tema da Campanha da Fraternidade, que neste ano é “Fraternidade: Biomas brasileiros e a defesa da vida”.

Para pintar as serragens, Martins revela que os voluntários utilizam uma betoneira, onde misturam a serragem com tinta e água. “Todo ano precisamos conseguir materiais novos, pois é difícil reaproveitar de um ano para o outro, até porque com a procissão, os materiais se espalham pela rua”, diz.

A secretária do Conselho Paroquial Pastoral, Inês Terezinha Abelino Zambonetti, 51, diz que dez comunidades se unem com a paróquia todos os anos, dos bairros Nova Brasília, Limeira e Limoeiro, para prepararem os tapetes. “É uma demonstração de fé e vontade, pois no dia, é preciso acordar às 4h30 para estar na igreja às 5h para iniciar os tapetes, faça sol, chuva, neblina ou frio”.

Nos anos em que chove, a procissão é cancelada e os materiais são guardados para utilização no ano seguinte. “Mas já olhamos a previsão do tempo e indica sol, o que nos deixa ainda mais animados”, conta Inês.

Na paróquia Santa Teresinha, a missa inicia às 9h e a procissão logo em seguida, saindo pelo lado direito da igreja, seguindo até ao Batalhão da Polícia Militar. Depois retorna e sobe pelo morro ao lado.

Talento dos seminaristas
Os 16 seminaristas e os três padres do Convento Sagrado Coração de Jesus, no Centro, também se unem para preparar os tablados que receberão a Sagrada Eucaristia. A preparação também inicia bem antes, cerca de 20 dias, quando saem em busca de serragens em marcenarias. O padre Miguel da Silva explica que toda a serragem é peneirada, para que fique apenas o farelo, o qual é pintado e colocado para secar.

O cuidado na pintura é essencial, para que as cores fiquem bem vivas e se destaquem nos desenhos. Neste ano, os seminaristas escolheram três desenhos que foram ampliados no papel pardo. A montagem dos tapetes do convento inicia um dia antes. Isto porque eles deixam pronto, para no dia, apenas posicionar o tablado no espaço destinado. “Todos têm uma função na confecção, mas como é um grupo, sempre tem aquele que possui uma desenvoltura melhor para desenhar ou executar outra atividade”, comenta o padre.

Além de ser um momento festivo, o padre lembra que é um momento reflexivo que inicia desde a preparação dos materiais. “Quem se envolve já fica com o pensamento focado no que vai fazer e no objetivo. O momento pede essa reflexão e adoração da Sagrada Eucaristia”.

Importância da data
A procissão de Corpus Christi relembra o passado, as caminhadas feitas pelo povo em busca do pão ázimo. Porém, na atualidade, acontece a busca pelo novo pão: a Eucaristia, que significa o Cristo ressuscitado. “Os tapetes são coloridos para simbolizar festa, alegria, unidade e devoção”, reforça o padre.

Além disso, o Corpus Christi simboliza a história do ser humano que vai construindo sua estrada e a Eucaristia é que dá significado a esse momento.

 

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio