Conheça os voluntários que dedicam seu tempo para contar a história de Jesus, em Guabiruba

Mais de 450 pessoas participam do espetáculo Paixão e Morte de um Homem Livre

Conheça os voluntários que dedicam seu tempo para contar a história de Jesus, em Guabiruba

Mais de 450 pessoas participam do espetáculo Paixão e Morte de um Homem Livre

Os preparativos para o espetáculo Paixão e Morte de um Homem Livre estão na reta final. Os 452 voluntários que fazem o teatro acontecer se dedicam aos últimos ajustes para que tudo ocorra perfeitamente nos dias 13 e 14 de abril, no pátio da igreja São Cristóvão, no bairro Aymoré.

Na tarde de ontem, atores e produção deixaram, mais um vez, o seu tempo de descanso de lado para ensaiar, tudo para que o tradicional espetáculo que narra a paixão e morte de Jesus Cristo seja, novamente, um sucesso.

A preparação para a encenação iniciou logo após a última apresentação, em 2015. De lá para cá, a produção foi amadurecendo o roteiro, costurando um a um os personagens, até chegar às vésperas da apresentação com tudo pronto.

Feito essencialmente por voluntários, a maioria já é veterana quando o assunto é o espetáculo. Para muitas famílias, a Páscoa é diferente quando não tem o teatro.

Voluntário há 31 anos, o engenheiro têxtil Nilson José Ebele, 48 anos, fez sua primeira participação no espetáculo aos 17 anos. A sua história com o teatro começou quando ele participava de grupos de jovens e foi convidado pelo irmão para fazer parte do elenco.

Nilson Ebele participa do teatro desde 1986 / Foto: Bárbara Sales

Em sua primeira participação ele interpretou centurião e até hoje lembra de sua primeira fala. “Naquele tempo o teatro era feito ao vivo, então pessoas que tinham voz mais forte eram escolhidas para interpretar personagens com fala. A minha primeira foi: ‘Atenção: para vos falar, vem aí o magnânimo senhor e pretor da Judéia, Pôncio Pilatos’”, conta.
De lá para cá, ele sempre esteve no palco. Todos os anos quando o espetáculo era realizado no São Pedro, e depois ano sim, ano não, quando passou para o Aymoré.

Neste ano, no entanto, ele não estará no palco, mas sim, nos bastidores, como coordenador executivo da peça e vice-presidente da Associação Artístico Cultural São Pedro. “O teatro faz parte da minha vida, tanto que toda a minha família está envolvida.

Minha esposa este ano será Maria, a narradora, e minhas filhas também participam. A mais velha como diretora de marketing e a mais nova será um dos anjos. Elas vinham bebês para os ensaios, no berço, e hoje também gostam muito de participar”, diz.
Para ele, não há forma melhor de ocupar o tempo do que com o teatro. “É uma forma de doação, é uma contribuição minha e da minha família para o desenvolvimento social”, destaca.

Quem também é um veterano é o técnico em eletrônica Fabiano Siegel, 41 anos. Ele participa do espetáculo desde 1986 e também foi incentivado quando fazia parte de grupos de jovens. Seu primeiro papel, ainda adolescente, foi como povo, e ano a ano, foi ganhando destaque, até que interpretou por quatro vezes o personagem principal do espetáculo: Jesus. “Participei da transição da rua São Pedro para o Aymoré e tive a oportunidade de acompanhar a grande evolução nos últimos anos”.

Fabiano Siegel participa do teatro desde 1986 / Foto: Bárbara Sales

Abrir mão do tempo livre para participar do espetáculo é uma forma que ele encontrou para incentivar os mais jovens. “É dedicação para fazer algo pelo município e dar exemplo para os jovens. Tenho um filho de cinco anos que já gosta muito, fica a semana inteira perguntando se já é domingo para vir para o teatro. É importantíssimo passar isso para as crianças que são o futuro”.

Iniciantes na expectativa
Não é só de veteranos que Paixão e Morte de um Homem Livre é feito. Ano a ano, novos voluntários deixam seus fins de semana de lado para participar do espetáculo. O casal Isaías Jorge, 51 anos, e Tatiane Priscila Fischer, 38 anos, moradores do bairro Imigrantes, neste ano, participam pela primeira vez da peça.

A vontade de fazer parte do espetáculo veio logo depois da última apresentação, em 2015, quando Tatiane assistiu pela primeira vez e se encantou. “Fiquei com uma vontade enorme de conhecer, ajudar, participar. Conversei com uma amiga e ela disse que poderia participar também. Comecei a participar dos ensaios e estou gostando muito”, diz.

Incentivado pela esposa, o marido também participa do espetáculo. Tatiane participará como povo em uma das cenas de Maria e como uma das mulheres de Jerusalém, na cena em que Jesus cai carregando a cruz. Já Isaías fará um pastor de ovelhas e uma testemunha de Jeová.

O casal Tatiane Fischer e Isaías Jorge faz sua estreia no palco este ano Foto: Bárbara Sales

Os dois estão bastante ansiosos para pisar no palco definitivamente. “Estou me dedicando e farei o meu melhor. A partir de agora, pretendo participar em todas as edições. É uma família que se forma. Estou muito feliz”, diz Tatiane.

Serviço
O espetáculo Paixão e Morte de um Homem Livre será apresentado nos dias 13 e 14 de abril, às 21h e 19h30, respectivamente. Os ingressos estão à venda ao valor de R$ 10, e R$ 5 meia entrada para crianças menores de 7 anos e idosos (mediante apresentação de documento oficial com foto) e estudantes (com carteirinha), na WJ Acessórios e paróquia São Luis Gonzaga, em Brusque, e no Mercado Baron, Fundação Cultural, Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Supermercado Kohler, Supermercado Rothermel e Mercado Bom Dia, em Guabiruba.

Os ingressos são limitados. Para a apresentação de sexta-feira, 14, restam apenas 150 ingressos disponíveis em alguns pontos de venda.


Confira vídeo do ensaio para o espetáculo Paixão e Morte de um Homem Livre:

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio