Cruzeiro vence Olaria de virada e vai às semifinais com moral elevado

Equipe do Aymoré saiu perdendo por 2 a 0, mas buscou a virada e quebrou a invencibilidade dos adversários

Cruzeiro vence Olaria de virada e vai às semifinais com moral elevado

Equipe do Aymoré saiu perdendo por 2 a 0, mas buscou a virada e quebrou a invencibilidade dos adversários

O Cruzeiro venceu o Olaria de virada por 4 a 2 no estádio João Koehler durante a tarde deste domingo, 11, e garantiu o terceiro lugar na primeira fase do Campeonato Amador de Guabiruba. Após sair perdendo por 2 a 0 nos 10 primeiros minutos de jogo, o time celeste buscou o empate ainda na etapa inicial. Foi a primeira derrota do Olaria, após seis vitórias consecutivas.

A classificação do Cruzeiro já estava garantida, porque o Lageadense havia batido o São Pedro no estádio Reinaldo Batschauer por 6 a 2 durante a manhã, eliminando os alvinegros. Assim, a intenção do time da casa era vencer para garantir o terceiro lugar geral e evitar o Olaria, franco favorito ao título, nas semifinais. A vitória era necessária porque o Santo Antônio, terceiro colocado, chegou a 11 pontos após empate com o Poço Central. O time do bairro Aymoré, com 10, iria a 13 com a vitória sobre o invicto Olaria. E chegou.

Os rubro-verdes da Guabiruba Sul abriram o placar logo aos 8 minutos, com Harri Westarb. Dois minutos depois, o camisa 9, Dener Batschauer, foi oportunista para marcar o segundo, aproveitando o rebote após a bola atingir o travessão sem nenhuma reação por parte do goleiro Fábio Cota, o Fabinho.

Com 2 a 0 no placar, o Olaria completaria a primeira fase do campeonato com 100% de aproveitamento, mas o Cruzeiro queria evitar os favoritos a todo custo na semifinal. Após muitos desperdícios, o primeiro gol dos mandantes saiu aos 16 minutos. O atacante Vanderlei cobrou falta com precisão e diminuiu a desvantagem.

Momentos depois, após rápido contra-ataque e cruzamento rasteiro, Diego Dolsan se jogou para tentar marcar, mas não alcançou a bola com os pés, em boa chance criada.

Com mais fome de gol, o Cruzeiro arrancou um empate, mais uma vez na bola parada. Aos 42 do primeiro tempo, Vanderlei foi derrubado na área, próximo à linha de fundo. Pênalti, que ele mesmo cobrou, no canto direito do goleiro Jelson, que saltou para o outro lado.

A segunda etapa foi mais conturbada, com muitas faltas e ainda mais reclamações sobre a arbitragem. O Cruzeiro conseguiu a virada, e o gol veio, de novo, de um lance de bola parada. Após cobrança de falta aos sete minutos, a bola passa por todo mundo e chega no segundo pau para Nathan Sutil. De costas pro gol e já desequilibrado, o camisa 10 chutou rasteiro e balançou as redes, para a festa da torcida presente.

João Vitor, do Olaria, tenta alçar a bola na área | Foto: João Vítor Roberge

O Olaria conseguia criar perigo também na bola parada, mas ou tinha azar na conclusão ou parava na defesa mandante, determinada a segurar o resultado e a matar tempo. Aos 29, com o jogo parado, o defensor Elton Lana se irritou com a arbitragem e com os adversários ganhando tempo. Arrancou a bola das mãos do árbitro Juarez Berti e a mandou para a sua defesa, para dar sequência à partida. Levou o segundo amarelo e foi expulso.

Os visitantes continuaram buscando o gol, mas não chegavam em condições de finalizar com força ou com precisão. Fechado na defesa, o Cruzeiro ainda conseguiu o quarto gol. Aos 42 minutos, após cobrança de escanteio, Jadilson completou para o gol e liquidou a fatura.

Com o resultado, o Cruzeiro ultrapassou o Santo Antônio e foi ao terceiro lugar, para enfrentar o Lageadense, vice-líder, na semifinal. O Olaria, líder com seis vitórias e uma derrota, enfrenta o Santo Antônio, quarto colocado.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio