Descarte de resíduos no rio Itajaí-Mirim gera repercussão no Facebook

Segundo a Fundema, o material despejado no rio é esgoto sanitário oriundo de residências próximas

Descarte de resíduos no rio Itajaí-Mirim gera repercussão no Facebook

Segundo a Fundema, o material despejado no rio é esgoto sanitário oriundo de residências próximas

Um morador de Brusque publicou, no fim da semana passada, um vídeo que mostra o despejo de resíduos no rio Itajaí-Mirim no trecho próximo à sede dos Correios, na avenida Bepe Roza, a Beira Rio. O registro repercutiu na rede social e gerou indignação nos usuários que compartilharam o link – mais de 400.

Na gravação, o morador disse que a poluição estava tomando conta do rio. Ele ainda comentou que as empresas aproveitam os dias de chuva para despejar os resíduos.

Informado sobre o fato, o fiscal da Fundação Municipal do Meio Ambiente (Fundema), Faues Vinícius Medeiros, afirmou que o órgão recebeu reclamação referente ao descarte e que, posteriormente, foi ao local verificar a situação.

Na verificação, a Fundema constatou que o material despejado é esgoto sanitário oriundo de residências localizadas próximas a um córrego da rua Daniel Barni que desemboca no Itajaí-Mirim.

“Moradores do local disseram que quando foi realizado o PAC do bairro Azambuja, a drenagem foi canalizada pela macrodrenagem e o córrego passou a ter menos fluxo de água. Então, em função disso, vai acontecendo o mau cheiro e a coloração acaba ficando mais escura porque há menos volume de água”, explicou.

Outro descarte

Outro descarte, dessa vez localizado próximo à Academia Viva, também chama a atenção dos moradores / Foto: Juliana Eichwald
Outro descarte, dessa vez localizado próximo à Academia Viva, também chama a atenção dos moradores / Foto: Juliana Eichwald

Além do descarte registrado no vídeo, outro, localizado próximo à Academia Viva, também chama atenção das pessoas que passam pela avenida Beira Rio. Diariamente, um resíduo escuro é despejado no rio por meio de um córrego.

Em novembro do ano passado, a empresa Favo Malhas, localizada no bairro Nova Brasília, havia sido notificada pelo descarte de corante no mesmo córrego. A irregularidade foi tema de matéria do jornal Município Dia a Dia que, na época, havia informado que a empresa já havia recebido outras notificações pela mesma prática.

Desta vez, no entanto, o fiscal da Fundema afirmou que o órgão ainda não encontrou o responsável pelo despejo. A suspeita, afirma Medeiros, é de que trata-se de uma estamparia.

“Ali constatamos duas vezes e fomos acompanhando. Em uma das últimas vistorias acompanhamos o ribeirão. Ele foi até o Santa Terezinha, e quando chegamos lá, a água já estava mais clara. Então não conseguimos identificar o responsável”, disse.

Ainda segundo o fiscal, a Fundema continuará fiscalizando a situação para encontrar a empresa responsável pelo descarte e, desta forma, notificá-la.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio