Página 3

Bastidores da política e do Judiciário, opiniões sobre os acontecimentos da cidade e vigilância à aplicação do dinheiro público

Desempenho de presidente e governador influenciarão eleição municipal em Brusque

Página 3

Bastidores da política e do Judiciário, opiniões sobre os acontecimentos da cidade e vigilância à aplicação do dinheiro público

Desempenho de presidente e governador influenciarão eleição municipal em Brusque

Página 3

O desempenho de candidatos do PSL nas eleições gerais deste ano mudou a conjuntura política para as eleições municipais de 2020.

A vitória inesperada de Carlos Moisés da Silva ao governo do estado, por exemplo, trouxe para a classe política uma nuvem de incertezas sobre o comportamento do eleitorado daqui a dois anos.

Cenários que estavam sendo cogitados terão que ser revistos, e, mais do que em qualquer outra oportunidade, o desempenho dos eleitos em 2018 influenciará o dos candidatos em 2020.

Veja também:
Carros híbridos ainda são pouco procurados em Brusque

Uma década atrás, Brusque enfrentou maior desastre ambiental do século 

Conheça quais serviços estão incluídos no contrato da prefeitura com o Hospital Azambuja 

Na prática, o que se avizinha é que, se Jair Bolsonaro e Carlos Moisés fizerem bons governos nos próximos dois anos, conseguindo razoavelmente manter a economia nos trilhos, isso potencializará candidaturas do PSL por todo o estado, assim como já ocorreu neste ano.

Políticos de carreira que estavam já com cenários programados para disputar a eleição municipal em 2020 começam a ter sérias preocupações com a ascendência de nomes desconhecidos impulsionados pela popularidade de presidente e governador eleitos.

No entanto, se eventualmente forem trágicos os governos da dupla Bolsonaro-Moisés, a coisa muda de patamar, e volta-se ao status quo da busca pela política tradicional.

E essa possibilidade de ascensão de candidatos desconhecidos pode ser potencializada em Brusque, tendo em vista a grande fragmentação partidária do município.

As siglas mais fortes e tradicionais na cidade, em 2016, não conseguiram construir projetos políticos sólidos, tanto é que foram registradas sete candidaturas, uma fragmentação nunca antes vista.

Veja também:
Semana da Conciliação teve taxa de resolução de 25% na Vara Cível de Brusque

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Justiça destrava licitação da nova ponte do Centro de Blumenau

A persistir essa falta de entendimento, a candidatura de um outsider torna-se ainda mais viável. Políticos e partidos tradicionais necessitam, portanto, repensar o próximo pleito, ou serão engolidos, como foram agora, por nomes novos na política.

A incerteza do cenário é ainda maior para o grupo do governo Jonas Paegle (PSB), o qual defenderá em 2020 a continuidade do projeto eleito com ampla maioria de votos em 2016.

Ocorre, no entanto, que o favoritismo da candidatura PSB-MDB, claro na última eleição, não mais existe, já que a figura central que impulsionou a votação foi o ex-prefeito Ciro Roza (PSB), hoje sem relações com o governo após ser escanteado do gabinete.

Pelo protagonismo exercido durante o mandato, o nome natural da sucessão seria o vice-prefeito Ari Vequi (MDB), mas ainda não se sabe que capital político este poderia angariar sem a benção de Roza.