João José Leal

Promotor de Justiça, professor aposentado e membro da Academia Catarinense de Letras - joaojoseleal@omunicipio.com.br

A difícil prática da moral cristã

João José Leal

Promotor de Justiça, professor aposentado e membro da Academia Catarinense de Letras - joaojoseleal@omunicipio.com.br

A difícil prática da moral cristã

João José Leal

O WhatsApp tem suas vantagens. Ajuda a preservar amizades e, entre muitas outras coisas, pode ser usado como instrumento de evangelização. Tenho um amigo que, todos os dias me manda uma mensagem dizendo Bom Dia e complementa com o texto do evangelho. Não se importa com a minha falta de fé. É cheio dessa graça divina e crê que a esperança é a última que morre. Acredita que pode salvar esta alma perdida.

Veja também:
Chega ao fim a recuperação judicial da Companhia Industrial Schlösser

Um mês após inauguração, Imigrantes Hospital quase dobra número de atendimentos

Após polêmica, Dejair Machado reativa comissão do meio ambiente no Samae de Brusque

Sempre leio os textos recebidos. De amigo, antes da leitura, não se deleta mensagem e, porque, cada evangelho é uma lição da boa ética cristã. Bastaria que cumpríssemos metade do que recomendam essas parábolas recortadas do texto bíblico. E o mundo seria um estádio sem fim de gente de boa vontade; uma arquibancada infinita de fieis cristãos torcendo pela melhor equipe e pela justa vitória; uma imensa onda solidária de torcedores abraçados, mãos dadas sem olhar a cor da camisa, sem xingar o juiz, sem violência nem quebra-quebra.

Enfim, bastaria que fôssemos capazes de amar o próximo como amamos aos nossos familiares. E a vida seria um paraíso. Mas, isso parece impossível, porque trazemos conosco o fruto da paradoxal tragédia paradisíaca, que nos marcou com o pecado original da imperfeição humana. E, assim, sabemos que devemos ser bons, solidários, amar ao próximo. Mas, é muito difícil cumprir os mandamentos básicos da ética cristã.

Veja também:
Conheça Antônio Cervi, contador que fundou quatro entidades de classe em Brusque

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Conheça as candidatas finalistas do concurso Rainha da Oktoberfest

Essa enorme diferença entre a teoria e a prática é condenada no evangelho do último sábado. No texto, Cristo fala dos escribas e fariseus, que pregavam o cumprimento rigoroso das leis da religião judaica. E Cristo, sabedor da hipocrisia desses religiosos fundamentalistas, disse à gente simples que lhe escutava: façam tudo o eles pregam, mas não o que eles fazem, porque não praticam o que ensinam. Esses pregadores hipócritas “amarram fardos pesados e insuportáveis nos ombros dos outros, mas não querem transportá-los por minuto sequer. Gostam do lugar de honra nos banquetes, dos primeiros assentos e amam serem chamados de doutores”.

Nos textos bíblicos, os fariseus eram maus exemplos de conduta ética, gente que exigia do outro o que não fazia. Já os escribas eram os homens da lei, os sábios, os donos da última palavra em matéria de interpretação do Antigo Testamento e da lei divina. Mais ou menos, como os 11 ministros do nosso Supremo Tribunal. Com relação a alguns destes, a comparação, mesmo passados mais de 2 mil anos, não é descabida. Estamos cansados de vê-los proferir extensos votos, recheados de um palavrório sofisticado, rebuscado, repleto de princípios éticos. Mas, despidos da toga negra, apresentam um comportamento moralmente muito pouco dignificante.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio