Dia das Mães - Partos IncríveisA empresária Juliana Bittelbrunn, de 40 anos, planejou o nascimento dos três filhos detalhadamente, mas o destino escolheu surpreendê-la nos três partos. Isadora chegou ao mundo em um colchonete no chão do centro cirúrgico; Mateus nasceu no quarto dos pais em casa; e Gabriel escolheu o banheiro do hospital para nascer.

Juliana passou os nove meses da gravidez de Isadora planejando o parto humanizado. Ela e o esposo, Fernando Bittelbrunn, 40, participaram de cursos, fizeram yoga e buscaram uma doula para auxiliar no momento.

No dia 29 de maio de 2010, Juliana sentiu algumas dores ao acordar, mas pensou que não era nada. O casal foi almoçar uma feijoada e a gestante comentou com a sogra, Roselis Bittelbrunn, sobre os desconfortos que estava sentindo. Emocionada, a sogra disse que a neta nasceria naquele dia, mas Juliana não acreditou.

Casal se preparou durante os nove meses da gestação de Isadora para fazer o parto humanizado | Foto: Arquivo pessoal

Após o almoço, a gestante confirmou os rumores: Isadora estava a caminho. “Ali eu vi que a coisa começou. Coloquei uma música bacana para ouvir, peguei minha bola de pilates, fiz meus exercícios e a cada contração eu falava para ela ‘é isso aí minha filha, estamos mais próximas do momento de nos encontrarmos”.

Com as contrações aumentado, ela acordou o marido para ele chamar o médico, mas a bolsa estourou minutos depois. O obstetra chegou no local perto das 18h e levou Juliana para a antiga Maternidade Cônsul Carlos Renaux. O marido pegou todas as coisas e foi logo atrás. Como a doula não conseguiu estar presente, Fernando assumiu o papel e auxiliou a esposa.

“Chegamos no hospital às 18h10 e a Isadora nasceu às 18h30, não deu tempo para nada. Ela nasceu no chão do centro cirúrgico, pois não deu tempo de preparar toda a sala. Ele [médico] só estendeu o colchonete, eu fiquei de cócoras. Meu esposo chegou logo depois e conseguiu me segurar. Foram seis horas de trabalho de parto e foi muito emocionante”, recorda.

Três filhos surpreenderam Juliana e Fernando com partos diferentes | Foto: Arquivo pessoal

No conforto do lar

Ao descobrir a segunda gravidez, Juliana tinha esperanças de realizar o parto idealizado na primeira gestação. No dia 3 de março de 2012, ela acordou às 5h com as contrações. Pela experiência com o nascimento de Isadora, a mãe acreditou que Mateus nasceria por volta de 11h. Enquanto comunicava a doula, o marido levou a filha na casa da avó.

Mas às 8h as dores de Juliana aumentaram e ela teve receio de parir o pequeno em casa. A doula foi ao local, mas o médico estava em uma cirurgia e não conseguiu chegar a tempo.

No meio do banho para aliviar as dores, Juliana descobriu que o bebê já estava nascendo. “Fiquei com medo na hora porque ele nasceria em casa, totalmente sem estrutura. A doula me acalmou. Deitei na cama e ele nasceu ali. Foi uma loucura e fez muita sujeira”, conta.

Parto de Mateus aconteceu na casa da família com ajuda do esposo de Juliana e da doula Arquivo pessoal | Foto: Arquivo pessoal

Mateus nasceu por volta de 9h. O parto foi realizado pela doula Ionara e Fernando. O médico chegou após alguns minutos para atender os dois. “O parto dele foi uma aventura”.
Naquele dia, Juliana havia combinado um almoço com a mãe, Marli Weise que ao buscar a filha, encontrou a surpresa do novo neto.

Quando chegou no hospital, toda a equipe de funcionários sabia a história do parto. “Foi um acidente, não era o que eu queria. Mas por nos prepararmos e acreditarmos, nós sabíamos que era possível. A mulher não precisa sofrer 12 horas para ter um filho, ela precisa se preparar e acreditar que o corpo dela vai dar jeito”.

Ajuda de Nossa Senhora

Juliana prometeu que no parto do terceiro filho seria tudo diferente. Ela buscou um nova obstetra aos sete meses de gestação. No dia 3 de abril de 2017, durante uma consulta de rotina, a médica informou que ela tinha três centímetros de dilatação. “Eu falei ‘é hoje então’, mas a médica não acreditou. Mesmo assim eu falei para ela se preparar”.

Com mais experiência, Juliana acredito que o terceiro parto ocorreria da forma planejada | Foto: Arquivo pessoal

Como previsto pela mãe experiente, por volta de 22h30 as contrações começaram. Com medo de repetir as situações, Juliana estava determinada a fazer o parto no hospital e foi para unidade assim que sentiu as dores. A enfermeira fez o exame, que novamente apontou só três centímetros.

Juliana foi orientada a ir para casa e aguardar, mas ela não quis correr risco. A empresária ficou esperando em uma sala do hospital enquanto praticava os exercícios que aprendeu nas gestações passadas.

Por volta das 2h, Juliana pediu para tomar um banho para acelerar o processo. A enfermeira foi chamar a médica para avaliar a gestante, mas a bolsa estourou ali no banheiro, antes da obstetra chegar.

Ao descobrir a gravidez do segundo filho, Juliana pensou que finalmente teria o parto idealizado nas gestações anteriores | Foto: Arquivo pessoal

“Pela janela do banheiro eu consegui ver a Nossa Senhora e eu pedi ajuda para ela. No hospital é mais frio e acaba que dói mais. É um ambiente totalmente fora, com pessoas estranhas, então é tudo mais frio. Não deu meia hora e o Gabriel coroou. Foram quatro centímetros em menos de meia hora. Meu marido correu atrás da enfermeira e ele nasceu no banheiro do hospital”, conta emocionada.

A médica não conseguia acreditar na rapidez do nascimento de Gabriel. “De novo eu não pude ter aquele parto normal, na cama ou no centro cirúrgico”, brinca.

Apesar das formas inusitadas, cada um dos três partos deixou sua marca na vida de Juliana e do esposo Fernando.

Juliana e Fernando com os filhos Isadora, Mateus e Gabriel Bittelbrunn | Foto: Arquivo pessoal

Conheça as histórias de partos incríveis nos links abaixo ou no menu acima.

– Em frente ao hospital
– Três filhos, três partos diferentes
– Dentro da bolsa amniótica
– Parto a caminho do hospital
– Dentro da piscina e na sala de casa
– No conforto da casa dos pais

Deixe uma resposta