Duelo de campeões

Vizinhos, Abresc e Poço Fundo foram vencedores das duas últimas edições do campeonato

Duelo de campeões

Vizinhos, Abresc e Poço Fundo foram vencedores das duas últimas edições do campeonato

Três meses e duas semanas depois, o Campeonato Municipal de Futebol Amador de Brusque – Troféu Lemus Esportes chega à final neste domingo. Contrariando o favoritismo de Carlos Renaux e Santos Dumont, a taça de campeão ficará entre duas equipes menos badaladas ao longo do campeonato. Os algozes Abresc/JK Motos e Poço Fundo vão decidir a competição após derrubarem os respectivos adversários em plena casa dos rivais.

Os finalistas podem ser considerados vizinhos. A Abresc/JK Motos representa os moradores do Águas Claras, bairro logo ao lado do Poço Fundo. O embate conta também com o encontro dos dois últimos campeões do Amador. A Abresc é atual detentora do título. Poço Fundo levantou o troféu em 2012.

No primeiro duelo entre ambos, ainda pela fase de grupos, a Abresc venceu por 2 a 1. A partida foi muito disputada e repleta de confusões. Apesar de haver rivalidade entre os bairros, a amizade prevalece entre os atletas adversários. Eles chegam a unir forças contra outras equipes. Na final de 2012, quando Poço Fundo enfrentou o América na decisão, o grupo da Abresc/JK Motos torceu pela vitória do bairro vizinho. Os jogadores retribuíram a torcida no ano passado, quando a Abresc foi a finalista.
Abresc/JK Motos

 

  • Vitória da união

Nada resume mais a chegada da Abresc/JK Motos à final do que a palavra ‘união’. Pelo menos, esta é a opinião de Edemar Kuhnen, o Tinho, diretor de futebol e principal patrocinador da equipe. “Aqui ninguém ganha nada em dinheiro. É na vontade”. Para disputar a competição, o clube passou por dificuldades. As chuteiras ficaram sob responsabilidade de cada jogador. Joel, o goleiro que defendeu dois pênaltis no último jogo contra o Santos Dumont e ajudou a equipe a se classificar, precisou comprar as próprias luvas. “Nós jogamos na raça, e a amizade é o nosso segredo fundamental”, explica Tinho. O time não treina durante a semana. Isso talvez justifique o desempenho fraco no início da competição. Sem preparo físico ou esquema tático definido, a Abresc demorou a se encontrar na fase classificatória. A equipe precisou ajustar os erros ao longo da competição. Foram quatro vitórias e duas derrotas. O clube conquistou o terceiro lugar, abaixo de Santos Dumont, líder da chave, e Carlos Renaux, segundo colocado.
Após derrubar o Paysandu nas quartas de final, a Abresc/JK Motos teve que despachar o favorito Santos Dumont, clube que já havia vencido a equipe por 5 a 0 na fase de grupos. “Sabíamos que a semifinal não seria um jogo fácil. A equipe adversária havia realizado amistosos antes de começar o Amador”. A expectativa do diretor de futebol é de um bom duelo contra a equipe vizinha. Devido à suspensões, a Abresc não contará com os titulares Michel, meio campo, e Jonata, lateral-direito. Jorge, zagueiro; e Felipe, meia; são reservas que também foram suspensos na última partida contra o Santos Dumont. O atacante Sutil, que quebrou dedos do pé no primeiro confronto das semifinais, pode voltar, mesmo sem a completa recuperação.

  • Esporte em família

A equipe da Abresc é composta por oito membros da família Kuhnen, além do diretor de futebol. São três primos de Tinho, os meias André e Cleiton e o zagueiro Adilson; três sobrinhos, os meias Anderson, Germano e Gabriel; e dois filhos: o lateral-direito Jonata e o meia Lucas. As mulheres da família também marcam presença. A ‘tia Teca’ e a esposa de Tinho, Paulina, lavam os uniformes da equipe.

 

Poço Fundo

 

  • ‘Deixaram chegar’

Se a Abresc/JK Motos se classificou para as quartas de final com certa dificuldade, pior ainda foi a vida do Poço Fundo no início do Amador. A equipe avançou com apenas duas vitórias em seis jogos. Terminou a sexta e decisiva rodada da fase de grupos em quarto, a apenas um ponto do quinto colocado, Snoopy Lanches. “Pior para os adversários, que nos deixaram chegar”, afirma o técnico da equipe, Fábio Heck, o Fabinho.
Segundo ele, a tradição do Poço Fundo falou mais alto nas etapas de mata-mata. “Somos nove vezes campeões. Ganhamos em 2012 e paramos na semifinal ano passado. Os azarões são os outros, nós é quem deveríamos ser considerados favoritos”, diz, ainda na bronca pela alcunha ser dada ao Carlos Renaux no duelo anterior.
Os atletas da equipe também não treinam durante a semana, ao contrário dos jogadores do último adversário – o Vovô – que ainda recebem remuneração conforme o desempenho. À exemplo de Tinho, da Abresc, Heck acredita que a união foi a chave para que o grupo seguisse até a final. “Tivemos jogadores que receberam proposta do Carlos Renaux. Se eles aceitaram ficar com a gente ao invés de ir para uma equipe que iria pagá-los, foi por amor a camisa”, destaca. Segundo o técnico, a pequena e fiel torcida do Poço Fundo também motiva cada atleta para que dê o seu melhor. O Poço Fundo também entrará em campo desfalcado para a grande final. Os zagueiros Cleiton e Luciano, e o volante Beto, estão suspensos. O lateral-direito Fabinho, por motivos pessoais, também está fora da partida. Todos eram titulares nos jogos anteriores.

 

  • ‘Time briguento’

Além da luta pelo troféu, os atletas do Poço Fundo precisam enfrentar mais um desafio a cada jogo, o da fama de time ‘briguento’. O diretor de futebol e atacante, Felipe Bodenmuller, o Tufão, diz que o grupo procura respeitar a comissão de arbitragem e os adversários, mas que, dentro de campo, os jogadores são firmes. “Talvez seja por isso essa fama. Nosso time tem características de marcação pesada. Nunca agredimos ninguém, há apenas uma exaltação típica de quem entra para ganhar”, explica.

 

 

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio