Entrevista com Marli Leandro – “A função do congresso é representar o povo, não grupos”

Marli Leandro afirma que representatividade no parlamento federal é o caminho para vinda de mais recursos

Entrevista com Marli Leandro – “A função do congresso é representar o povo, não grupos”

Marli Leandro afirma que representatividade no parlamento federal é o caminho para vinda de mais recursos

Única mulher a ocupar vaga na Câmara de Brusque, Marli Leandro (PT) também é a única candidata de Brusque nestas eleições. Postulante a uma vaga na Câmara Federal, Marli traz na bagagem, além da passagem pelo Legislativo municipal, uma ligação com o sindicalismo. Ela é a terceira entrevistada da série que aborda as ideias de propostas dos candidatos com domicílio eleitoral em Brusque.

Município Dia a Dia: Com que propostas a candidata começa essa campanha? 

Marli Leandro: Em primeiro lugar, é importante falar da falta de representação de forças políticas na nossa região, nos últimos anos. Estamos no mínimo há oito anos sem uma representação federal. Esse é um dos principais desafios: ter alguém que possa representar a região, ajudar e fortalecer, fazer a ponte com o Governo Federal. O deputado federal, além de ajudar os prefeitos da região, tem as emendas parlamentares. Em média R$ 17 milhões por ano podem ser apresentadas de emendas ao orçamento. E o que temos percebido é que os deputados federais do nosso estado focam na sua região. Temos votos suficientes e somos uma região importante, que merece uma representação a nível federal. Esta é uma candidatura que tem o apoio do governo municipal, do movimento sindical, do qual participo desde 1989, e também precisa de representação em Brasília. Um dos principais problemas dos municípios é a questão da liberação de recursos federais, embora nos últimos anos todos os municípios estejam recebendo, mas por conta de uma ida constante dos prefeitos à Brasília.

MDD: E na economia?

Marli: De uma forma geral, a economia está há 12 anos em um ciclo positivo. As pessoas não acreditavam que o Brasil pudesse crescer economicamente e socialmente ao mesmo tempo. E o que temos visto é o contrário. Temos a menor taxa de desemprego nos últimos anos. Não somos mais credores do FMI. A economia do nosso país tem questões que precisam ser revistas mas de forma geral, penso que vamos continuar nesse ciclo positivo por muito tempo. Temos muita coisa a construir, na questão de rodovias, ferrovias.

MDD: Existe um consenso de que a aproximação partidária de Brusque facilita com o Governo Federal facilita a vinda de recursos. Como você avalia essa relação?

Marli: Facilita, mas o que temos visto é que o Governo Federal tem distribuído recursos, independente dos partidos políticos. O prefeito Paulo Eccel tem tido êxito em conseguir recursos porque apresenta bons projetos, e é nisso que temos que focar. Por isso também é importante ter um deputado federal, para fazer a ponte com o governo. É logico que essa sintonia com o Governo Federal beneficia Brusque. Temos mais dois anos de prefeitura, e ter um representante no parlamento federal, sem sombra de dúvida, vai facilitar a vinda de recursos, para obras maiores e fundamentais.

MDD: Uma das suas bandeiras é a defesa de uma reforma política. Como isso poderia ser articulado?

Marli: Defendo o plebiscito popular, teremos uma audiência pública no final do mês. A ideia é ter uma Constituinte exclusiva que pense a reforma política. Sinceramente, o congresso que está aí não votaria por uma ampla reforma política no país. O plebiscito popular não tem valor legal, mas é uma forma de forçar o congresso, que é quem aprova. Defendo, por exemplo, a questão das unificações das eleições, hoje temos a cada dois anos, as prefeituras param, precisamos pensar num outro modelo, que represente mais a vontade da população. Devemos pensar uma reforma que não seja apenas de grupos. Hoje o congresso está dividido em grupos: tem os ambientalistas, o empresários, os ruralistas, que defendem as suas demandas. Precisamos desmistificar isso. A função do congresso é representar o povo, não grupos. Há muito tempo se fala em reforma política, mas não acontece porque há interesses fortes dos grupos que estão lá.

MDD: Se pudesse eleger apenas uma área como prioridade, na busca por recursos para Brusque e região, o que apontaria? 

Marli: Eu optaria por duas. A mobilidade urbana e o saneamento. Precisamos avançar muito, ampliar a mobilidade, criar outras alternativas, e para isso precisamos de muito recurso, para a acessibilidade, para os passeios públicos. Precisamos melhorar as nossas vias, criar outras, duplicar as rodovias e melhorar os acessos para escoar a produção. O saneamento básico, que é prevenção e saúde, precisa de muitos recursos. Precisaremos tratar o esgoto doméstico e industrial, que exigirá muitos recursos e projetos.

PERFIL

Marli Leandro nasceu em Vidal Ramos em 1969.  É formada em Direito e atua como presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário de Brusque e Guabiruba, cargo da qual está licenciada. É vereadora e líder do governo Paulo Eccel na Câmara de Brusque.

 

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio