Pe. Adilson José Colombi

Professor e doutor em Filosofia - padreadilson@omunicipio.com.br

Exemplo a seguir

Pe. Adilson José Colombi

Professor e doutor em Filosofia - padreadilson@omunicipio.com.br

Exemplo a seguir

Pe. Adilson José Colombi

Muitas vezes já escutei essa observação a respeito da capital do nosso estado: “De Florianópolis não dá para esperar muita coisa!”. Claro, que não concordo! No dia 08/04 último, uma notícia que se espalhou pelo Brasil, mostra um belo exemplo que pode, sem dúvida, ser seguido. O prefeito, Gean Loureiro, sancionou uma lei inovadora sobre resíduos orgânicos para Florianópolis.

Trata-se da lei 10.501, que, em seu primeiro artigo, institui “a obrigatoriedade da destinação ambientalmente adequada de resíduos sólidos orgânicos por meio dos processos de reciclagem e compostagem.” E ainda dispõe a respeito do dever dar incentivos à compostagem doméstica, comunitária e viabilizá-los nos sistemas de coleta domiciliar.

Veja mais:
TJ-SC nega recurso da prefeitura e manda preservar casarão de Dom Joaquim

Secretaria de Obras inicia demolição de garagem em condomínio da Travessa Dom Joaquim 

Entidades discordam de nome escolhido pela prefeitura para praça do Souza Cruz

Por outro lado, a norma jurídica proíbe a destinação desses resíduos orgânicos aos aterros sanitários e à incineração no município. Mas, têm que ser direcionados ao Centro de compostagem em Florianópolis (SC), aonde resíduos orgânicos são levados e processados –  Cepagro.

A lei prevê que devem ser estimuladas as iniciativas comunitárias e de cooperativas na gestão desse processo de compostagem e adotadas estratégias de descentralização no gerenciamento e no incentivo à compostagem doméstica. Dessa forma, pode-se acrescer, em muito, o percentual estimado de aproximadamente 2% dos orgânicos do Município que são atualmente compostados. De acordo com o Plano Municipal de Coleta Seletiva (PMCS), a cidade gera 500 toneladas de resíduos secos urbanos e cerca de 37 orgânicos.

“O objetivo é que as diferentes estratégias, como a compostagem doméstica, a comunitária e aquela realizada em escolas e instituições públicas coexistam. É um modelo descentralizado e em que diferentes tipologias de compostagem vivam juntas”. A lei indica começar com as podas, que representam 11% das 500 toneladas diárias. “É o mais fácil para começar. A Comcap já tem uma unidade de trituração e um pátio com capacidade para receber 10 toneladas por dia. O segundo passo seria instalar um sistema de coleta de resíduos orgânicos”, afirma.

“Florianópolis é a única capital que tem sistema de coleta administrado pelo município. Servidores e servidoras com trabalho regulamentado, segurança do trabalho. Isso facilita. A cidade já tem um tecido social que sustenta, vários pátios e iniciativas. Unidades municipais já preparadas para a compostagem”.

Veja mais:
Presidente do Hospital Dom Joaquim se reúne com secretário de Saúde do governo do estado

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Tribunal de Justiça nega recurso a assassino de Bianca Wachholz

Não resta a menor dúvida, que essa lei é um feito notável. Florianópolis ao assumir e efetivar essa iniciativa inédita – a lei de compostagem para resíduos orgânicos – torna-se uma referência nacional. Um belo e excelente exemplo a ser seguido. E se enquadra muito bem na órbita da Encíclica Laudato Sì do Papa Francisco a respeito do cuidado com a nossa Casa Comum, o Planeta Terra. Sem dúvida, se for devidamente implementada, essa lei pode representar um grande avanço no respeito e no cuidado com a vida em todas as suas dimensões e trazer benefícios para todos.

Tomara que mais municípios pelo Brasil afora tomem a mesma decisão. Inclusive, o nosso, para dar sua quota de participação no caminho do bem estar comum.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio