Se a alegria está atrelada à simplicidade e ao convívio em harmonia com a natureza, não poderia ter sido escolhido nome melhor para um pedaço de terra localizado no bairro Ourinhos. A Fazenda Alegre é uma fortaleza de recursos naturais, rica em água, fauna e em flora.

Sua história também é farta. Décadas atrás, o local, que pertencia à família Smaniotto, realizava a Festa do Búfalo, onde eram encontrados os animais. Atualmente ainda mora no local o casal Irineu e Clarete Smaniotto, produtores de mel que são incumbidos de manter a fazenda em ótimo estado de conservação.

Mensurar a importância da localidade para a vida na região é uma tarefa difícil. A conservação do ambiente é fundamental para a preservação de recursos hídricos que abastecem municípios como Botuverá, Brusque, Itajaí e até mesmo Tijucas. Além disso, espécies de aves raras também encontram um ambiente propício para a sobrevivência na localidade.

A fazenda tem uma função importantíssima para a preservação do ecossistema botuveraense: é o portal de entrada para a Reserva Biológica Estadual da Canela Preta. Ou seja, os responsáveis pelo local são guardiões da reserva, e inclusive colaboram afastando a presença de caçadores e desativando armadilhas espalhadas pelo território.

Fazenda guarda diversos recursos naturais / Foto: Cristóvão Vieira

Festa do búfalo
Tradição antiga realizada na Fazenda Alegre, a Festa do Búfalo já foi encerrada há quase duas décadas. Contudo, faz parte da história de Botuverá. No período em que pertencia aos Smaniotto, o local era sede do evento que levava centenas de botuveraenses para a fazenda.

Irineu era um dos organizadores das festividades. Ele explica que era uma festa familiar, e recebia este nome por causa da presença do animal na fazenda e de sua carne no evento. “Era carne boa de comer, e tinha bastante na fazenda. O pessoal vinha, acampava, tocava música e passava a noite aqui. Fazíamos fogueiras também”.

Com o tempo, o animal parou de ser criado no local, e a festa teve um ponto final, mas não sem deixar saudades em Irineu. “Era uma grande comunhão de amigos da cidade, todos de Botuverá se encontravam aqui. No tempo que durou foi bom e bastante animado”.

Cachoeira do Arco-Íris

A descida para a cachoeira é localizada antes de cruzar o portal para a Fazenda Alegre. Uma estruturada escada de metal dá início a jornada, mas logo em seguida acaba a vida fácil do visitante, que precisa seguir o caminho pela mata. São apenas 150 metros até chegar ao pé da cachoeira, mas o barranco íngreme e escorregadio que é preciso descer para alcançar o destino alonga a caminhada.

Cachoeira do Arco-Íris encanta os visitantes / Foto: Cristóvão Vieira

Em dias chuvosos, o trajeto fica perigoso. É um declive longo, e em alguns momentos o barranco desliza. No meio do caminho há um ponto em que o mato é aberto e serve como um mirante. Dali dá para ter uma ideia da dimensão e da beleza da cachoeira. A força e o fluxo da água geram um barulho estrondoso, e é difícil conversar perdo da queda d’água.

Seguindo a descida, poucos metros abaixo é possível chegar ao pé da cachoeira. É impossível chegar até ali e não ter vontade de se banhar na água pura e cristalina. Rochas em meio a água corrente ficam solitárias a contemplar o som forte e manifesto da Cachoeira do Arco-Íris, que recebe este nome porque, em dias de sol, é possível ver a formação colorida do fenômeno, quando a água rebate os raios solares.

Fazenda Alegre
Endereço: Estrada geral de Ourinhos, entrada à direita pouco antes do portal do Parque das Grutas
Acesso: Livre para a cachoeira. Fazenda é propriedade particular.
Nível de dificuldade: Fácil
Riscos: Mínimos
Sinalização: Sinalizado


Você está lendo: Fazenda Alegre


– Introdução
– Potencial turístico
– Parque das Grutas
– Morro do Barão
– Rebio da Canela Preta
– Floresta dos Xaxins
– Travessia dos Lageados
– Trilha das Minas Abandonadas
– Travessia ao Faxinal do Bepe
– Trilha dos 100
– Trilha do Graff
– Recanto Feliz
 Cachoeira do Bégo
– Cachoeira do Venzon
– Cachoeira do Lageado Baixo
– Salto do Sessenta
– Cachoeira da Água Fria
– Rio Itajaí-Mirim
– Roteiro turístico