Festas juninas envolvem alunos, pais e escolas em Brusque

Apresentações, gincanas e atividades unem família no ambiente escolar durante os meses de junho e julho

Festas juninas envolvem alunos, pais e escolas em Brusque

Apresentações, gincanas e atividades unem família no ambiente escolar durante os meses de junho e julho

O mês de junho é tipicamente conhecido pelas tradicionais festas juninas. As escolas, principalmente, são as que mais aderem à festividade como forma de unir a comunidade e trazer ainda mais a família para dentro do ambiente escolar, além de arrecadar fundos.

Durante a realização das festas, é comum as apresentações de danças tradicionalistas, como quadrilhas, pau de fita e o famoso e bem humorado casamento caipira. Sem contar, é claro, na comida típica.

Neste ano, muitas escolas decidiram por realizar a festa de maneira interna, no próprio ambiente escolar. Foi o caso do Centro de Educação Infantil dos Comerciários, que pelo primeiro ano, realizará a comemoração na própria escola. Como forma de diferenciar o evento e fazer com que os pais se envolvessem ainda mais com a escola, foi idealizada uma gincana entre salas.

A festa ocorrerá apenas no dia 8 de julho, mas durante todo o mês de junho os pais e alunos tiveram missões a serem cumpridas, como arrecadação de prendas e venda de bingo. Os artigos arrecadados serão colocados nas barraquinhas do bazar, roda da fortuna, pescaria e boca do palhaço. A diretora do CEI, Anna Gevaerd, explica que todo valor lucrado no dia da festa será revertido em melhorias na escola.

Para ela, a gincana é a melhor opção para fazer com que a família se envolva mais com a escola e participe das atividades escolares. Além da participação dos pais com as provas, os alunos também tiveram tarefas a cumprirem, como a realização de desenhos e atividades que serão expostas no dia da festa.

Ao fim da gincana, todas as salas serão premiadas em dinheiro. Entretanto, a turma campeã receberá um valor maior. “Todas as salas tem um casal de pais responsável, que junto com a professora e alunos, decidirão de que maneira utilizar esse dinheiro”, explica a diretora.

Segundo Anna, a experiência com a gincana está sendo bastante positiva, pois além das crianças, os pais estão bem empolgados. “A intenção é repetir nos próximos anos. Os pais gostaram e pediram que no ano que vem comecem os preparativos mais cedo, para terem mais tempo”.

A diretora ressalta que mais do que os lucros do evento, a relação entre escola e família é o essencial para a harmonia do ensino. “Quando decidimos trazer a festa para dentro da escola tivemos a preocupação em como atrair as pessoas, assim como acontecia quando a festa era no salão paroquial da igreja matriz. Mas acredito que teremos um bom resultado neste ano também”, informa.

Preparação antecipada para fazer bonito

Na Escola de Educação Básica Dom João Becker, no Jardim Maluche, a preparação para a festa que ocorrerá no dia 7 de julho está bem antecipada, especialmente na questão musical. Isto porque há dois meses os alunos já começaram os ensaios para as apresentações, com a intenção de fazer bonito e arrancar sorrisos dos pais, familiares e da comunidade.

Neste ano, a direção da escola optou por fazer a festa interna, durante o dia, em cada turno de aula. O objetivo da mudança foi garantir que todas as crianças pudessem participar dos festejos. “Sempre fazíamos no sábado, mas em reunião entre conselho deliberativo e APP [Associação de Pais e Professores] pensamos em fazer desta maneira, pois antes nem todas as crianças tinham como participar e ficavam tristes”, explica a diretora Ione Terezinha Hassmann.

Agora, a escola permanecerá em festa durante todo o dia, aberta para a participação dos pais e da comunidade. A proposta de mudança ainda tem uma visão de igualdade e a questão da crise financeira.

Durante o evento, as crianças poderão participar da pescaria, bazar e estarão vestidas com trajes típicos. Como forma de unir ainda mais pais e escola, a organização da festa solicitou a colaboração de pais, alunos, direção, entidades e comunidade para a arrecadação das prendas. “A intenção é oferecer um atrativo a mais e com isso, lucrar para o caixa da APP, que investirá em reparos da escola e pagamento de dívidas”.

A escola atende hoje cerca de quatro mil alunos do 1º ano das séries iniciais até o 3º ano do Ensino Médio. Sendo assim, cada turma apresentará sua dança durante seu turno. Para os preparativos, cada professor titular ou regente de turma se responsabilizou pela organização.

No 5º ano, a professora Sílvia Aparecida de Paula, está há dois meses ensaiando com os alunos. Todos os dias ela disponibiliza 30 minutos da aula para que as crianças dancem e frisem bem os passos. “Geralmente quando passa as comemorações do Dia das Mães, já começamos a nos preparar”.

Para a professora, é importante trabalhar as datas comemorativas em sala de aula desde os mais pequenos e de forma lúdica. No 5º ano, por exemplo, o estado de Santa Catarina é estudado, percorrendo toda a história e passando pelo regionalismo. “Nesse momento é trabalhado a questão das festas juninas, sotaques e tudo mais, fazendo com que eles entendam o porque estão festejando e também como forma de aprenderem e respeitarem cada povo e cultura”, afirma.

Dois momentos de comemorar 

A Escola de Educação Básica Municipal João Hassmann, no Guarani, prepara dois momentos para que as crianças se divirtam com os festejos da festa junina. Amanhã, por exemplo, as crianças participarão da festa interna, apenas para alunos, em que terão um recreio estendido de 30 minutos. “Eles terão atividades e brincadeiras preparadas pelos professores, além, claro, do lanche típico”, conta a diretora Sandra Regina Aguiar.

Durante todo o ano, os alunos da escola participam de uma gincana, sendo que a tarefa para amanhã é cada turma apresentar uma dupla vestida com traje típico para pontuar. Além disso, em junho todas as provas são voltadas para a festa junina.

No dia 8 de julho, a escola então realiza a festa para toda a comunidade. Nesta data, as crianças terão a oportunidade de se apresentarem para os pais e familiares. Serão cerca de dez apresentações, todas preparadas pela professora de Educação Física, Cláudia Cipriani dos Santos.

A diretora ressalta que na festa aberta à comunidade terá a venda de cachorro-quente, pipocas, refrigerantes, brigadeiro e pescaria. “Como tarefa da gincana, os alunos precisavam conseguir kits para a pescaria. O dinheiro que lucraremos será destinado à APP”, diz.

Como forma de integrar mais a família com a escola, durante o ano são realizados três eventos para trazer os pais para conhecerem mais a rotina dos filhos: bingo das mães, festa junina e festival de talentos no fim do ano. “Esses momentos são importantes, pois são poucos, mas com objetivo de distração, lazer entre família e escola, e nos tornarmos cada vez mais próximos e unidos”, analisa a diretora.

Para as apresentações na festa junina aberta à comunidade, nem todos os alunos participam, porém, todos se envolvem com os ensaios, até por fazer parte do conteúdo didático das aulas de Educação Física. “Começo os ensaios três semanas antes da festa, até por serem danças já conhecidas, com passos fáceis”, comenta a professora Cláudia.

Ela conta que opta por fazer todos participarem dos ensaios, pois aqueles que são mais tímidos, muitas vezes se soltam e acabam participando na apresentação. Mais perto da data da festa, ela reúne os alunos que participarão para um ensaio geral. “Não são apresentações por salas, pois têm turmas que a maioria não participa. Então juntamos por faixa etária para formar um grupo”, detalha.

Na escola, desde as crianças do pré-escolar até o Ensino Médio se envolvem com as atividades da festa. “É um momento único e divertido, que envolve e distrai. Quando eu faço o aviso do início dos ensaios, os alunos passam a me cobrar, pois realmente gostam”, conta Cláudia.

 

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio