Conteúdo exclusivo para assinantes

Furtos de cones são comuns em Brusque e já provocaram acidentes

Caso ocorrido no último sábado, 24, levanta debate; delito prejudica a sinalização de obras em andamento

Furtos de cones são comuns em Brusque e já provocaram acidentes

Caso ocorrido no último sábado, 24, levanta debate; delito prejudica a sinalização de obras em andamento

O furto de um cone na rua Alvin Battistotti, no bairro Primeiro de Maio, às 6h20 deste sábado, 24, é apenas um dos diversos casos deste tipo em Brusque. Órgãos como o Samae e a Secretaria de Obras têm cones, cavaletes e outros objetos de sinalização furtados frequentemente. Os itens são postos em locais que possuem obras em andamento, e auxiliam a sinalização para evitar acidentes de pedestres, motoristas e motociclistas.

Para o diretor-geral da Secretaria de Obras, Nick Imhof, os casos são cada vez mais frequentes, e as pessoas costumam ver no gesto apenas uma brincadeira. “As pessoas fazem de brincadeira, achando que é algo legal, como nessa última situação que ocorreu. Mas é algo crítico. Por mais que se pense que é apenas um cone, algo simplório, está ali para sinalizar e avisar as pessoas. Dependendo da situação, pode causar danos não apenas a veículos, mas a vidas”, explica.

Imhof conta que em uma das obras de tubulação feitas pela pasta, a sinalização foi furtada. No mesmo dia, houve uma forte chuva e um acidente grave de motocicleta no mesmo local que estava sem a sinalização. “A preocupação não é com um pneu furado, é com a vida de um motociclista. E uma brincadeira causa este tipo de situação”.

Em enxurradas e enchentes mais graves, tubulações antigas são danificadas seriamente. Para a Secretaria de Obras recuperá-las, é feito um mapeamento, com sinalizações e cronograma de reparos. “Quando está tudo pronto e vamos começar as obras de recuperação, já percebemos que furtaram um cone, ou até mesmo um cavalete. As pessoas, principalmente as mais jovens, não entendem a gravidade disso”.

O diretor-presidente do Samae, Roberto Bolognini, explica que já houve casos em que a empresa precisou pagar prejuízos de pessoas que foram prejudicadas com a falta de sinalização quando, na verdade, cones e cavaletes haviam sido furtados.

“Este caso teve mais repercussão porque foi flagrado, tanto que depois o cone foi devolvido. Mas é importante levantar a questão, enquanto isto for tratado como simples brincadeira, a segurança fica ameaçada. Acontece muito”, pontua.

Flagra
Às 6h20 deste sábado, 24, uma mulher foi flagrada por câmera de monitoramento furtando um cone na rua Alvin Battistotti, no bairro Primeiro de Maio.

A responsável pelo crime estava de carona em um HB20 de Guabiruba. O carro parou, ela atravessou a rua, pegou o cone e voltou para o veículo com ele.

O cone era utilizado pelo Samae para sinalizar um buraco após reparos na rede de abastecimento de água, com o objetivo de evitar acidentes.

Já por volta das 16h40, dois jovens retornaram ao local e devolveram o cone. Eles foram à Polícia Civil e prestaram esclarecimentos.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio