Alexandre Garcia

Jornalista

Fuxicos e mexericos

Alexandre Garcia

Jornalista

Fuxicos e mexericos

Alexandre Garcia

Em janeiro escrevi aqui sobre a rede de mentiras pelas redes sociais. Pois agora estou assustado com a contaminação que afeta muitas das notícias que nos chegam. Editoriais do Estadão têm se referido aos noticiários sobre o Supremo e a prisão em 2º. instância como “boatos” e qualificou de “fuxicos e mexericos a disposição deste ou daquele ministro” sobre o assunto. É uma questão já decidida pelo Supremo, no início de 2016. Quando saiu a decisão, há mais de dois anos, o noticiário aplaudia, aliviado, porque facilitava a retirada de circulação dos corruptos envolvidos   no escândalo da Petrobras, que sucedeu ao do Mensalão.

Desde o Código Penal de 1941, estava claro que após a condenação, o réu ía para a cadeia, cumprir a pena, ainda que recorresse. Isso valeu até 2009. Quando surgiu o Mensalão, os políticos passaram a se mobilizar para que não fossem presos, alegando que o cumprimento da pena só deveria começar depois do transitado em julgado, como se ainda sobrevivesse a presunção da inocência mesmo depois da condenação. E ficou a lenga-lenga até que o Supremo decidiu em 2016: depois do tribunal revisor, nada mais impede que a pena comece a ser cumprida.

Mas depois veio a condenação de um ex-Presidente da República, confirmada e ampliada na 2ª instância. Partidários de Lula imaginam que decisões da Suprema Corte estejam submetidas à popularidade do condenado, personalizando o que a Constituição manda que seja impessoal. E passou-se a escrever e a dizer que a Presidente Cármen Lúcia estava sob pressão; que os juízes do Supremo estavam sob pressão. Pressão de quem? Do advogado de Lula, ex-presidente do Supremo? De senadoras do PT que foram conversar com a Ministra Cármen Lúcia? Ou pressão do noticiário que fala todos os dias nessa “pressão”, nas perguntas que à toda hora derramam sobre os ministros? Ou do noticiário que chama de “impasse” onde não há impasse?

Alguém inventou uma reunião, na terça-feira, convocada pelo decano, Ministro Celso de Mello, para tratar de novo julgamento do que já está decidido. Pois nem houve a reunião, nem o Ministro Celso de Mello a convocou. A Presidente Cármen Lúcia afirma, reafirma e fica rouca de tanto afirmar que não há motivos para rever a decisão de dois anos atrás, mas parece que não querem ouvir. O relator da Lava-Jato, Ministro Fachin nega habeas-corpus para evitar a prisão de Lula, mas ainda assim tem que rejeitar novos recursos, como se não tivesse sido compreendido. O Ministro Gilmar Mendes nega também habeas-corpus de advogados cearenses, mas as pessoas têm dificuldade de entender. O juiz Sérgio Moro põe na cadeia o ex-vice-presidente da Engevix, que ele condenou a 19 anos e o tribunal revisor aumentou para 34 e ele vai para as grades mesmo recorrendo ao Superior Tribunal de Justiça, mas as pessoas ainda duvidam da prisão após segunda instância. Em 2009 o Supremo decidira que a execução da pena deveria esperar o trânsito em julgado. Assim votou o hoje aposentado Ministro Eros Grau. Mas agora ele votaria pela prisão em 1ª instância, para tirar logo o corrupto de circulação. Como se vê em filme americano: o juiz bate o martelo e o condenado já vai algemado para as grades.

Em janeiro escrevi aqui sobre a rede de mentiras pelas redes sociais. Pois agora estou assustado com a contaminação que afeta muitas das notícias que nos chegam. Editoriais do Estadão
Conteúdo exclusivo para assinantes

Para ler todas as notícias, assine agora!

Oferta especial para você ficar
bem informado SEM LIMITES

Menos de

R$ 0,35
ao dia
R$ 9,90 ao mês
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio