Gasolina em Brusque é vendida ao menor valor desde 2014

Havan baixou o preço do litro para R$ 2,99, após quedas consecutivas em outros postos

Gasolina em Brusque é vendida ao menor valor desde 2014

Havan baixou o preço do litro para R$ 2,99, após quedas consecutivas em outros postos

Nas últimas semanas, os consumidores brusquenses têm se deparado com uma verdadeira guerra de preços travada entre os postos de combustíveis do município.

Tudo começou com a inauguração do Posto Márcio, no Centro 2, no início do mês, que iniciou suas vendas com a gasolina a R$ 3,39. Rapidamente, vários postos do município seguiram a ‘tendência’ e baixaram de uma média de R$ 3,60 para o mesmo valor. Com o passar dos dias, porém, o valor baixou mais R$ 0,10 e, esta semana iniciou com postos comercializando a gasolina a R$ 3,17.

Ontem, porém, os consumidores foram pegos de surpresa quando, no início da tarde de ontem, o Posto Havan passou a comercializar o combustível ao valor mais baixo desde novembro de 2014: R$ 2,99.

Os motoristas e motociclistas não perderam tempo e logo trataram de aproveitar o preço baixo para abastecer os veículos. O posto rapidamente, percebeu um aumento no movimento, com filas se estendendo ao longo da rodovia Antônio Heil pelo resto do dia.

O sub-gerente do estabelecimento, Kelvin Kamers, afirma que a gasolina a R$ 2,99 é por tempo indeterminado. “Fizemos esta promoção pensando no cliente Havan e visando sempre o melhor”, diz.

Antes de baixar o preço, o posto estava vendendo a gasolina a R$ 3,29 – assim como a maioria dos postos do município. “Estávamos com gasolina em R$ 3,54, aí houve uma queda no valor de compra do combustível, baixamos para R$ 3,29, e como fazia um bom tempo que não tínhamos promoção, decidimos baixar ainda mais”, justifica.

De acordo com Kamers, a redução do valor não está ligada à concorrência. “Há umas duas semanas o valor baixou alguns centavos e estamos repassando isso ao consumidor. Não é porque os outros postos estão vendendo mais barato”.

Margem de lucro

O coordenador do Posto Márcio, Luis Carlos Almeida, destaca que o combustível comercializado no estabelecimento vem direto da base da Petrobras, em Itajaí. “A base Araucária fornece para nós, mas é o mesmo combustível que Shell, Ipiranga e Petrobras vendem. O meu combustível é exatamente igual ao dos outros postos”, diz.

De acordo com ele, é política da rede – presente em nove municípios catarinenses – , praticar o menor preço. “Quando o nosso posto entra bota o preço sempre mais baixo. Claro que quando o posto é bandeirado, ele paga mais caro pelo combustível. Eu sou bandeira branca, então sou livre, não fico amarrado a uma bandeira, por isso, consigo gasolina com uma diferença de preço”.

Como compra o combustível por um valor menor, o Posto Márcio consegue trabalhar com preços mais baixos para o consumidor e, mesmo assim, manter a margem de lucro. “Eu seguro a margem até quando eu sei que não vou ter prejuízo”, diz.

Ele afirma ainda que não iniciou a “guerra dos preços” em Brusque. “Nós chegamos com R$ 3,39 que é o valor praticado em todos os nossos postos. Foram os outros postos da cidade que baixaram para R$ 3,29. E então resolvi vender a R$ 3,17 porque ainda tenho margem”.

Almeida não descarta reduzir ainda mais o preço do combustível. “Ainda vamos analisar, há possibilidade de baixarmos para R$ 3,09”.

No prejuízo

O sócio-proprietário do Auto Posto S A Ulber, no São Luiz, Luciano Scalvim, afirma que nas últimas semanas a companhia de distribuição reduziu o valor da gasolina para a venda. “Teve uma baixa por causa do etanol, e como a gasolina tem uma porcentagem de etanol, conseguiram reduzir um pouco, mas uma pequena porcentagem. O motivo mesmo da queda dos preços é a concorrência”, diz.

Em seu estabelecimento a gasolina é vendida a R$ 3,39, no entanto, ele já planeja reduzir para, pelo menos, R$ 3,29, para igualar a média dos demais postos. “Pretendo baixar para R$ 3,29, mas tem que ter uma ajuda da companhia, senão não dá”.

De acordo com ele, é praticamente impossível vender a gasolina por menos de R$ 3, como está fazendo o Posto Havan. “Eu estou comprando a gasolina hoje por R$ 3,07, eles estão abaixo do preço de custo, não sei como estão fazendo isso. Vendendo a R$ 3,39 já está difícil manter a margem de lucro, imagina com esse valor”, diz.

Por outro lado, ele reconhece que essa movimentação dos postos de combustíveis é benéfica para o consumidor. “Para o consumidor é muito bom, mas para quem vive disso é muito ruim porque o pessoal quer preço. Com essa redução dos outros postos, o meu movimento que já não estava bom, caiu ainda mais”.

20160520-9

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio