Havan divulga planos para o complexo da Schlösser

Empresa negocia implantação de universidade e outras dezenas de empreendimentos na área adquirida da companhia industrial

Havan divulga planos para o complexo da Schlösser

Empresa negocia implantação de universidade e outras dezenas de empreendimentos na área adquirida da companhia industrial

Desde que o Grupo Havan adquiriu o imóvel onde fica a sede da Companhia Industrial Schlösser, os brusquenses têm se perguntado o que acontecerá com o local que, por décadas, foi um polo do setor têxtil.

Nesta reportagem, o jornal O Município revela com exclusividade os planos do empresário Luciano Hang, dono da Havan, para o complexo, que terá mais de 40 mil metros de área construída, com duas mil vagas de estacionamento.

A ideia do empresário é implantar, no local, que fica na avenida Getúlio Vargas, no Centro 2, um grande centro empresarial, que englobe diversos serviços, como um teatro, um ginásio de esportes, escritórios para empresas e, o maior dos empreendimentos, a implantação de uma universidade.

Espaço contempla ainda um teatro, um ginásio de esportes e espaço para diversos escritórios de empresas | Foto: Divulgação

Segundo Hang, há negociações em andamento para implantação de uma unidade da Uniasselvi no local. O projeto, aliás, foi desenhado com a universidade nas plantas e maquetes.

Porém, se o acordo não for selado, a área não ficará desocupada. “Se a Uniasselvi não vier, vamos atrás de uma grande universidade brasileira para trazer para a cidade”, conclui Hang, o qual afirma que uma universidade naquele local serviria não apenas para os brusquenses, mas para estudantes de todas as cidades da região.

“Queremos que a cidade seja um polo de tecnologia, de educação e de cultura”, afirma.

 

Ocupando toda a quadra, área terá espaço para 2 mil vagas de estacionamento| Foto: Divulgação

Obras de revitalização

O complexo já recebe obras. Inicialmente, a Havan está restaurando as áreas degradadas, removendo as pichações de parte de estrutura e refazendo a pintura. Na estrutura atual, a casa que pertenceu a Hugo Schlösser, datada de meados de 1940, será preservada. Ao seu lado, será construído um grande teatro, conforme o projeto apresentado pela Havan.

Outras dezenas de empreendimentos também devem renovar o local. O projeto contempla escritórios de tecnologia, que já manifestaram interesse em ocupar a área, assim como escritórios de coworking (escritórios compartilhados), e empresas que atuam nas áreas de internet e tecnologia da informação.

A intenção de Hang é de que o complexo vá além da área da Schlösser e ocupe praticamente toda a quadra, até a avenida Primeiro de Maio, onde está planejado um novo acesso. Próximo da via, por exemplo, está previsto um ginásio de esportes.

Local, que fica na avenida Getúlio Vargas, já recebe obras de revitalização das áreas degradadas e pintura | Foto: Marcelo Reis

Inspiração em fontes diversas

O empresário buscou inspiração em diversas fontes. Uma delas é o Sesc Pompeia, um centro cultural de São Paulo, construído a partir da estrutura original de uma antiga fábrica de tambores da década de 1930.

A primeira parte da unidade foi inaugurada em 1982. O centro de cultura e lazer conta com teatro, quadras esportivas, piscina, espaços de exposições, restaurante e choperia, que fazem jus à frequência intensa, de 1,25 milhão de pessoas a cada ano.

Em Brusque, a ideia é semelhante. O local irá abrigar espaços de gastronomia, cafés, empórios, cervejaria, entre outros empreendimentos.

As ruas no interior da fábrica serão mantidas, e as fachadas dos imóveis que as cercam serão descascadas, deixando tijolos à vista, em estilo semelhante ao utilizado no empreendimento paulista. O empresário pretende que esta área se torne uma referência para a região.

Ruas internas da área da fábrica receberão cafés, empórios, entre outros, em modelo semelhante ao do Sesc Pompeia, em São Paulo | Foto: Divulgação

“Temos sonhado em fazer deste lugar um negócio não só para o brusquense, mas que pessoas de outras cidades venham para Brusque visitar”, explica o empresário.

“Queremos reinventar a nossa cidade, que o brusquense tenha orgulho de ter esse empreendimento, como ele tem orgulho de ter a Havan”, ressalta.

Hang afirma, ainda, que seu objetivo, com a criação deste centro empresarial, é atrair cada vez mais turistas para Brusque. Ele relembra o fato de, três anos atrás, ter se manifestado contra a implantação de radares pela prefeitura.

“Temos que atrair os turistas para gastarem em nossa cidade, e não para saírem chateados daqui”, diz. “Queremos que a cidade se expanda, temos que ter ambientes que as pessoas venham da região, de cidades vizinhas para cá”.

Confira a galeria de imagens do projeto

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio