Pe. Adilson José Colombi

Professor e doutor em Filosofia - padreadilson@omunicipio.com.br

Herança bendita

Pe. Adilson José Colombi

Professor e doutor em Filosofia - padreadilson@omunicipio.com.br

Herança bendita

Pe. Adilson José Colombi

Amanhã, dia 04 de agosto, celebramos o dia da fundação de Brusque. Dia, sem dúvida, de olharmos para o passado. Não para tentar retornar a estágios passados. Ou para lastimar as possíveis perdas ou entristecer-se por chances perdidas. Mas, para saborear conquistas ou para aprender das derrotas e erros passados. Sempre tendo presente que a História, jamais deixa de ser uma “escola da vida”. Ela, a História, é a grande mestra sempre pronta para fornecer continuamente elementos, às vezes, indispensáveis para a construção do futuro.

De fato, um povo ou população que perde o seu contato com a sua História ou a ignora ou, pior ainda, despreza-a, perde suas raízes. Pouco a pouco, desfigura sua cultura e afasta-se de sua identidade. Um povo que não preserva e promove os valores socioculturais que são os alicerces de sua História e de sua Cultura perde, gradativamente, sua densidade sociocultural, comprometendo sua herança e transmitindo para os pósteros carência de estima pela herança recebida.

Segunda minha modesta visão a respeito de nossa História de Brusque, considero, como herança bendita, o conjunto de valores que nossos antepassados trouxeram, além de seus pertences pessoais ou familiares. Sobretudo, os de origem alemã e italiana. Sem esquecer ou ignorar os de outras etnias que, aqui, também aportaram e deram sua salutar contribuição para a nossa História. Entre esse conjunto de valores, destaco três, que para mim, formam um trinômio que sustentou a vida árdua e penosa dos que iniciaram a bela História de nosso Município. E o trinômio é: Família, Trabalho e Fé. E, capitaneados por esses foram se agregando os demais valores, como a escola, o estudo, a festa, a comemoração, a música e o canto, inclusive coral, a solidariedade, a participação em eventos comunitários, o cuidado pela casa, com jardins, as flores, os animais etc…

Ao celebrarmos, portanto, o dia do nosso Município seria muito salutar e oportuno refletir a respeito do que fizemos dessa herança bendita até hoje. Melhor ainda, como a recebemos e como a estamos transmitindo aos nossos descendentes. Será que estamos preservando e valorizando nossa identidade cultural? Mais uma vez, repito, não se trata de saudosismos vazios ou lamentações inúteis. Mas, de honestidade com a herança recebida e de responsabilidade no compromisso histórico com ela. É claro que os valores não podem ser considerados fósseis. Os valores, sem dúvida, tem algo de permanente. Sua vivência e manifestação são, porém, afetadas e sofrem influência do tempo e do espaço, onde estão situados. Por isso, cada momento histórico e cada lugar têm suas peculiaridades na vivência dos valores, sem, porém, desfigurá-los em sua essência.

Desses três valores fundantes de nossa identidade, creio, que o que foi mais bem preservado foi o Trabalho. Esse, de fato, impera quase em tudo. Inclusive, tomando muito mais espaço, em nossa Cultura. Tanto assim que, se olharmos atentamente para a realidade presente, o trabalho tomou muito do tempo da Família e da Fé. O (a) brusquense trabalha, trabalha, trabalha e depois pensa em outras atividades. Mais ainda, tudo isso, em muitos casos, não é por necessidade imediata, mas somente com o intuito de acumular mais bens materiais, para competir, ostentar. Com frequência até, por vezes, comprometendo a própria saúde física, por excesso de horas sem descanso e repouso para repor e restaurar as energias necessárias.

A Família e a Fé, bastas vezes, ficam em segundo, terceiros lugares. Tudo isso, vai desfigurando a herança bendita, comprometendo a harmonia e o equilíbrio de nossa cultura, prejudicando severamente nossa identidade, recebida de nossos antepassados.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio