Horário de verão gerará economia de R$ 282 milhões

À meia-noite do próximo domingo, 21, os relógios devem ser adiantados em uma hora no Sudeste, Sul e Centro-Oeste do Brasil

Horário de verão gerará economia de R$ 282 milhões

À meia-noite do próximo domingo, 21, os relógios devem ser adiantados em uma hora no Sudeste, Sul e Centro-Oeste do Brasil

O horário de verão, que começará à meia-noite do próximo domingo, 21 de outubro, deve gerar uma economia R$ 282 milhões devido à redução do consumo de energia. O valor é 56% maior que os R$ 180 milhões economizados no ano passado. O motivo é a menor necessidade de acionamento das usinas térmicas, que custam mais caro para gerar energia do que as hidrelétricas.

A informação é do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). O horário, no qual os relógios terão de ser adiantados em uma hora, terminará em 17 de fevereiro de 2013, uma semana depois do carnaval.

O horário valerá para as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste. As regiões Nordeste e Norte não vão entrar no horário de verão, a exceção do estado do Tocantins, que decidiu aderir ao horário especial. O estado da Bahia, que normalmente adere ao horário de verão, decidiu ficar de fora este ano.

– O horário de verão é um sacrifício para quem precisa acordar cedo, mas compensa no bolso, já que o custo da geração de energia térmica [que complementa a geração hidrelétrica quando o consumo é muito alto] é pago por todos nós – diz Hermes Chipp, diretor geral do ONS.

De acordo com Chipp, a redução de demanda no horário de pico deve ser de 4% a 4,5% maior que o ano passado. Além de reduzir o consumo no horário de pico, às 19h, há um alívio também na iluminação pública, já que mais tempo de sol, as luzes das ruas demoram mais a entrar em funcionamento.

Térmicas
Chipp ressaltou que embora haja economia maior nos custos da geração térmica, esse ano o país terá gastado mais que o ano passado com essa fonte de energia. Segundo ele, o preço do combustível está mais caro, o que encarece a geração, e os reservatórios das hidrelétricas está no menor nível dos últimos quatro anos. 

O ONS informou que os reservatórios estão em média 40% cheios. Chipp disse que a chegada do período mais úmido deve aliviar a situação dos reservatórios. Mesmo assim, o diretor geral disse que não há risco de desabastecimento.

– As chuvas não vieram como o esperado este ano, o que levou os reservatórios aos níveis mais baixos nos últimos quatro anos. Se precisarmos, acionaremos mais térmicas – afirma Chipp.

Fonte: Folhapress

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio